Mais sobre a Primavera – parte 1

  PRIMAVERA – O RETORNO DA LUZ Parte 1 A força da noite e do dia tornam-se iguais. A Terra renova seu ciclo de nascimento e ressurreição. As plantas enterradas no solo durante o longo inverno, levantam suas cabeças, as folhas aparecem nas árvores, o zumbido dos insetos enche o ar e as cores vivas das flores primaveris dominam a paisagem. É o tempo de recomeçar, de plantar sementes em nossos jardins, e sementes para

Ler mais

A Germinação

É o meio do inverno, onde sentimos mais os ventos frios, nos impulsionando para ficarmos mais confinados, mais limitados, ficarmos mais quietos descansando. Porém há movimento dentro da terra com a nova vida que se esconde por debaixo da superfície. Está época ensina como a trabalhar o centro do coração, como demonstrar afeição, como encarar os medos, e como desenvolver habilidades de liderança. Ajuda a desenvolver a coragem e o poder . O meio do Inverno, a

Ler mais

As quatro estações

  PRIMAVERA – NASCIMENTO   A primavera marca o ponto de equilíbrio do tempo. O momento em que a força de vida, a Terra e a Natureza aparecem. Onde a vegetação surge acima do chão e nós também sentimos a motivação para fazer as coisas moverem novamente em nossas vidas, depois das limitações do inverno. A influencia da Fase de Ativação não é apenas na natureza em nossa volta, mas também dentro de nós mesmos.

Ler mais

Celebrando os Solstícios

  “A origem de outra importante lenda do Natal, Santa Claus, é bem conhecida. Novamente brilha um pouco da tradição pagã nos primórdios de um costume moderno. O nome Santa Klaus é derivado (no holandês Sinter Klaas) do alemão, equivalente a São Nicolau. Os fatos históricos sobre o turco São Nicolau, bispo de Myra no século IV, indicam que ele era aparentemente famoso por sua generosidade anônima, especialmente para com os jovens. Provavelmente por essa

Ler mais

Tempo Indigena

  Eles marcam reuniões sem o Calendário Gregoriano, e chegam no prazo combinado. J. A. Peret Toda a cosmografia Tupi no que se refere aos fenômenos cosmológicos era baseada na observação empírica das variações das estações, dos ventos, das chuvas, etc. As estrelas Urubu, Surã, Iapuicã e as constelações Simbiare-rajeiboare e Seichujurá, por exemplo, indicavam a vinda das chuvas. A principal unidade de tempo dos Tupinambás eram as lunações. Por meio de lunações conseguiam uma

Ler mais