Trajeto do ritual, a linguagem secreta da alma

O Trajeto do Ritual – A línguagem secreta da alma

Extraído de: A línguagem secreta da alma: Uma guia visual ao mundo espiritual por Jane. O trajeto do ritual, página 150. Pub.Chronicle Livro, 1997

Curvar-se, ajoelhar-se, gestos, posturas, sons vocais, cantos, movimentos do corpo, incenso, queima de ervas, tambores, flautas, sinos, símbolos, altares, os tambores são usados na chamada das Divindades, na elevação, para o auxílio em orações e em suplicas, etc.Mesmo nas práticas mais simples (meditações, rezas,etc.) há ritual de como sentar ou posicionar as mãos, para dirigir os olhos e para respirar. Tudo é ritual. Tudo é parte de uma cerimônia.

Certamente não é o espírito divino que necessita de nossas suplicas de joelhos para que nossas preces sejam ouvidas, nem necessita de incenso. Deus não vai ser maior do que por nossas rezas. Fazemos isso é para nós mesmos e para os outros. Nós co-criamos nossas vidas através de nossas intenções. Nós aprendemos que todas as coisas começam no plano etérico como uma idéia ou pensamento. Uma vez que o pensamento é carregado, move-se então para fora do mundo da matéria e se expressa em ação. Nós falamos nossa intenção. A intenção começa a manifestar-se para fora no mundo através do que pedimos nas preces.

A ação permite trazer nosso objetivo desejado na matéria até materializar-se. A arte da manifestação emerge primeiramente no pensamento e nele movimenta-se para fora no mundo da ação física no verbal. E assim é com arte, música, poesia, dança, trabalhos, corpo, roupa, alimento, doença, etc. — todas as coisas. Como nós escolhemos nossas vidas , onde nós vamos, o que nós desejamos, o que nós tememos, e assim por diante, em toda a parte desta criação. Conceitualiza-se primeiramente em nossa imaginação e move-se para fora no mundo da matéria.

Com a cerimônia e ritual, nós podemos deixar de abrigar muitas armadilhas do ego, julgando vozes dentro de nós, abrindo-nos à rendição e a entrega. Nós cerimonialmente acendemos ritualmente velas, queimamos incenso, nos curvamos, cantamos, lemos escrituras, repetimos orações, canções, mantras, afirmações, para ajudar-nos repetidamente a superar nossos blocos (obstruções) do resíduo subconsciente.

Toda a religião, em algum momento, nos impele para deixar “o ego que sabe” que ” e para nos religar a uma fonte ou uma sabedoria mais elevada, ajuda-nos superar nosso ser humano das limitações da mente ego”. Assim nos benzemos com água sagrada, bebemos sacramentos, comemos o pão da vida, , recebemos perfurações, flagelações, isolamentos, renuncias, e, assim recebermos a divindade, a atenção de nosso Deus.

Alguns povos rendem-se a períodos longos de êxtase, ao dançar e cantar sob a manifestação de bebidas enteógenas para viajar no tempo e espaço, aos reinos profundos, e além da imaginação. Alguns cerimônias budistas são especialistas para criar êxtases, bem como as igrejas evangélicas.

O giro dos Sufis, como seus dervishes, produzem estados mais elevados de consciência. Em muitas religiões tais como Budismo, islamismo, Hinduismo, Zoroastrismo, Catolicismo, Candomblé, Umbanda, etc., uma canção, um nome, uma prece, um diálogo ou um mantra são repetidos para reorientar a mente inconsciente.

Há rituais para os mortos, para comemorar a passagem, para nascimentos, comemorar a vinda de idade, casar-se, saúde, exorcismo, para guerrear e matar.

Ao curvarmos-nos em reverencia a um altar que representa a divindade, o mestre, o Santo ou o guru de nossa paixão, isto ajuda ao “ego” a reconhecer algo maior do que ele próprio e ajuda-o abrir a nossa imaginação à possibilidade de receber a orientação da Fonte Divina. Diz-se que Confúcio acreditou que seu país estava na deterioração moral por causa da falta do ritual religioso e pessoal.

O ritual foi inspirado “para preservar a harmonia” entre o céu e a terra. A cerimônia e ritual ajudam-nos a organizar e cristalizar nossos pensamentos, intenções, e foco.Nos extrai do mundo da matéria dando a expressão externa. Quando nos unimos em cerimônia e ritual, a força da vida torna-se maior do que o nosso indivíduo, e tranqüiliza-nos ajudando a sentir que não estamos sozinhos, mas afirma que nós somos uma parte integral da Grande Teia da Vida.

A vida é cerimonia. . . a vida é ritual. . . a vida é uma dança.

ENTRE EM CONTATO

Envie um e-mail para a equipe do Site




©Desenvolvido por Agência Rumi

ou

Fazer login com suas credenciais

Esqueceu sua senha?