Caminhos Xamânicos

Por Léo Rutherford

Ao ver todo o campo do autodesenvolvimento do ponto de vista xamânico, todos estão no caminho do autodesenvolvimento. Isso é inerente a estar vivo! Cada um de nós somos minúscula partículas do Tudo que é o Grande Espírito, e parte do Grande Espírito está em um caminho de desenvolvimento através da experiência de vida tridimensional. Ou, de outra forma: o Planeta Terra é o grupo do crescimento de Deus!

Poderíamos dizer que o Tudo Que Existe está ocupado experimentando a si mesmo através de todas as formas de vida, uma das quais somos nós. Portanto, para entrar conscientemente no caminho xamânico, você simplesmente precisa ser um ser humano buscando conhecer o Eu e entender o Universo. Trata-se de percorrer o caminho da vida com a intenção de desenvolver a consciência e  fazer a escolha de ser auto-responsável com o objetivo de adquirir conhecimento com o desejo de aprender ‘o Caminho do Senhor’, que significa Lei Divina; ou em outras palavras, como o universo (Deus) realmente funciona.

Como curandeiro e terapeuta xamânico, percebo que quase todo mundo que sou chamado a ajudar está sofrendo, de alguma forma, com falta de auto-estima e dificuldade em “sonhar” uma vida saudável, contente e harmoniosa em manifestação. Sua mitologia pessoal é geralmente aquela que inclui sentimentos de dúvida, sendo amável, de utilidade e, às vezes, de inutilidade. Esse tipo de sentimento é a crise espiritual e emocional do mundo ocidental. Encontramos muito ego falso e autoinflado. Mas com que freqüência encontramos alguém que é verdadeiramente uno consigo mesmo, à vontade com seu eu emocional e sua sexualidade, fundamentado seu corpo físico em harmonia com sua vida?

A cura não é apenas para si mesmo, no entanto, somos todos partes de uma cultura. A cultura em si está doente e a única maneira de curar a cultura é curar os membros separados dessa cultura, e isso significa você e eu. O ditado nativo americano mitakuye oyasin, que significa “Para todas as nossas relações”. É tradicional dizer isso em oração ao entrar em uma tenda de suor para se purificar e em outros momentos sagrados. Estamos dizendo: ‘Eu atravesso essa cura não apenas por mim, mas por tudo com o que estou relacionado’. E quem são eles? São meus parentes de sangue, são todos meus irmãos e irmãs humanos, são meus parentes animais, parentes de plantas, parentes de rochas, é o próprio planeta inteiro. Estou relacionado com tudo o que existe. Enquanto estou desequilibrado, deprimido, triste, zangado, violento, sou uma força para o desequilíbrio, para a anti-vida (mal) e preciso de cura. À medida que me curo e me equilibro me torno uma força para o bem (Deus) e para a cura dos outros. Minha cura contribui para a cura do todo.

No Ocidente, a autodescoberta costuma ser confundida com a autoindulgência. O trabalho envolvido em revelar a verdade de si mesmo, curando as velhas feridas e traumas e chegando a um lugar de equilíbrio e harmonia interior exige coragem e coragem. É o próprio reverso da indulgência.

A velha ideologia é que alguém deveria estar lá fora, fazendo no mundo – mudando, movendo-se, tendo um efeito, ‘provando’ a si mesmo, tornando-se famoso, ‘alcançando’ – sem necessariamente precisar de auto-descoberta, auto-reflexão ou desenvolvimento de vida. Em outras palavras, deve-se manter a ignorância de si mesmo e sair e criar mudanças para os outros! Vemos o resultado de tal comportamento e atitudes à nossa volta em poluição, destruição, consumo desnecessário, mídia e entretenimento cada vez mais vazios, especulação e a dizimação constante e implacável da infraestrutura planetária, como se fosse uma vasta gangue de idiotas ignorantes.

Dê uma olhada em si mesmo por um momento. O que o levou a um caminho de autocura? Você chegou a um ponto de desespero? A vida levou você profundamente a si mesmo e o forçou a fazer perguntas difíceis sobre sua existência, seu valor, seus relacionamentos com outras pessoas, com o planeta. Qual o objetivo de tudo isso? Raramente alguém entra em um caminho para buscar a Luz sem uma experiência no escuro. Para mim, foram os períodos de profundo desespero e solidão que me levaram a encontrar algo que valha a pena na vida.

Aqui estão algumas maneiras clássicas de trabalhar com as coisas de si mesmo:

HÁBITOS

Há uma peça maravilhosa em Jornada a Ixtlan , de Casteneda, onde Dom Juan brinca impiedosamente com Casteneda sobre suas rotinas, especialmente seu hábito de comer regularmente, com ou sem fome. A interrupção de nossas rotinas nos ajuda a ficar acordados. Saia do outro lado da cama, trabalhe por uma rota diferente, coma quando estiver com fome, não porque é hora do almoço, participe de atividades sociais diferentes, ouça os espaços entre os sons, olhe as sombras em vez do primeiro plano, desafie seus vícios e comportamentos habituais, coma menos e goste de ficar mais leve. Tire os refinados da sua dieta. Quando fazemos esse tipo de coisa, o lixo emocional vem à tona e tenta nos levar de volta aos velhos hábitos. Invoque o Espírito para ajudar a permanecer firme. Acordar não é fácil nem confortável.

PRÁTICAS DIÁRIAS

Escute cutucadas, palpites, presságios, acontecimentos estranhos, aparentes coincidências, sincronicidade. Não ter hábitos e rotinas fixos significa que podemos estar mais disponíveis para as “cutucadas de espírito”, aqueles pequenos momentos de conhecimento, de informação que acaba de chegar. Tempos silenciosos, tempos meditativos, ajudam-nos a tornar-se disponível ao espírito. Muita atenção é um inimigo disso (e eu ‘doei’, procurei mudar, na minha Cerimônia de Fogo da Lua Cheia tantas vezes!). A oração é sobre se comunicar a si mesmo com o espírito; meditação é dar ao espírito a chance de se comunicar com você. É bom reservar um tempo para ambos – mas apenas quando o espírito o move e não como um hábito. A menos, é claro, que você seja uma pessoa desorganizada, cujas rotinas são irregulares e que tenha dificuldade em se apegar a qualquer coisa. Nesse caso, para você, uma mudança de hábito seria ter disciplinas regulares!

JORNADAS XAMÂNICAS

Depois de aprender a viajar, talvez em uma oficina, é uma boa prática fazer viagens com frequência para desenvolver seu acesso e comunicação com os mundos inferior e superior. Um simples gravador de bolso com fones de ouvido com tambor xamânico é útil.

OLHANDO E OUVINDO

Todas as estações de televisão e rádio estão tocando exatamente onde você está, mas você não as ouve nem as vê, a menos que você ligue e sintonize a televisão ou o rádio. Todos os seres vivos orgânicos têm auras eletromagnéticas, campos de energia, mas você não os vê, a menos que mude seu estado de consciência (ou seja, afine seu instrumento!). Vemos apenas uma pequena faixa de freqüência de luz e ouvimos uma pequena faixa de frequência sonora. Nós nãovemos ultravioleta ou infravermelho. Os materialistas científicos gostam de dizer que, se você não pode vê-lo, ouvir ou sentir, não está lá. Bem, olhar é um bom exercício para praticar a ampliação da percepção além dessa limitação. Olhe para as sombras; escute o vazio entre os sons; deixe seus olhos estarem fora de foco; quando você vê pessoas, olhe logo além delas. Este exercício é um grande desafio para cientistas, materialistas, viciados em trabalho e loucos por controle!

FAÇA ALGO PARA ALGUÉM 

Preste serviço. ‘Pratique a bondade aleatória e atos sem sentido de Beleza!

Embora essas sejam formas de trabalhar por conta própria, o caminho xamânico é percorrido com um professor e um grupo. Isso não pode ser feito por correspondência! Precisamos de professores – pessoas que trilharam o caminho antes de nós – e precisamos de companheiros na jornada que serão nossos espelhos, nos dando as reflexões de que precisamos, embora talvez nem sempre sejam as que queremos!

QUESTÕES

Tentarei responder a algumas perguntas comuns que me são feitas:

O xamanismo é uma religião da Nova Era?

Não, não é uma religião. Não envolve crenças, é um caminho espiritual para o conhecimento. Nova era? – Dificilmente, tem 40 – 50.000 anos! É muito mais correto dizer que a Cena Alternativa e a chamada Nova Era é um renascimento xamânico! Toda essa espiritualidade da Nova Era parece ser um monte de idéias “Faça você Mesmo”. Como você pode acreditar em tudo isso?

Claro que é Faça você Mesmo! Toda espiritualidade adequada é Faça você Mesmo! Se você não faz isso sozinho, alguém o faz por você e isso significa que você não está assumindo a responsabilidade por si mesmo! Espiritualidade é uma busca A busca por conhecimento através da experiência, uma exploração contínua no mundo do Espírito, na maneira como o versículo trabalha, na ‘Mente de Deus’. Você é a única pessoa que pode fazer isso por você. E não se trata de acreditar em nada, é de adquirir conhecimento e aprender com a experiência.

Quais são suas crenças espirituais / religiosas?

Faço o possível para acessar o conhecimento, não as crenças. No entanto, essa pergunta geralmente tem um subtexto que diz: ‘Você pensa da mesma forma que eu, para que possamos apoiar os confortáveis ​​preconceitos uns dos outros ou de maneira diferente? Nesse caso, devo provar que você está errado!’ A pergunta sugere que o interlocutor possa estar preso a um sistema de crenças dogmático, em vez de buscar a verdade de mente aberta.

Por que você trabalha com nativos americanos e outros caminhos estrangeiros? Que direito você tem desses ensinamentos quando não é a sua cultura?

Em primeiro lugar eu sou um cidadão do planeta Terra! Essa é a minha cultura. Em segundo lugar – volte na história o suficiente e todos os meus ancestrais, como o seu, viviam em culturas xamânicas. E só porque as pessoas vivem em um determinado lugar da Terra não significa que sempre viveram lá. Quem são os britânicos? Uma mistura de ângulos, saxões, romanos, vikings, gauleses e celtas – e isso é apenas para iniciantes. O povo norte-americano nativo veio parcialmente dos mongóis e também dos maias, astecas e outras tribos da América Central e do Sul. Alguns celtas emigraram da Europa para as Américas há muito tempo, de modo que há uma conexão entre os modos antigos desta terra e os deles. E uma vez que voltamos pelas brumas do tempo para Atlantis, encontramos muito mais conexões improváveis ​​entre povos aparentemente díspares. Os judeus (de pele clara) poderiam muito bem ter vindo da Escócia ou da Lapônia e se mudado para o Oriente Médio na época do dilúvio. Veja até ultravioleta ou infravermelho. Os materialistas científicos gostam de dizer que, se você não pode vê-lo, ouvir ou sentir, não está lá. Bem, olhar é um bom exercício para praticar a ampliação da percepção além dessa limitação. Olhe para as sombras; escute o vazio entre os sons; deixe seus olhos estarem fora de foco; quando você vê pessoas, olhe logo além delas. Este exercício é um grande desafio para cientistas, materialistas, viciados em trabalho e loucos por controle!

Você pode experimentar diferentes estados de consciência e encontrar vibração e ‘ser-estar’ em seu corpo, dos quais você talvez não saiba há muito tempo.

Você pode curar e reequilibrar a criança interior e curar velhas feridas. Este é o sul e o primeiro pré-requisito para continuar sua jornada. Se você faz isso sob o título de psicoterapia ou xamanismo, ou qualquer outro método que você escolher, até que a cura interior aconteça e o leve a um lugar de assumir a si mesmo e deixar de culpar os outros – seus pais, o mundo, o sistema ou deus – você não está pronto para ir muito além.

Você pode entrar na tenda do suor mágica, o útero da Mãe Terra, e se reconectar com sentimentos e memórias ancestrais e ancestrais e com os reinos elementares.

Você pode fazer uma Busca de Visão na montanha ou no vale, sabendo que é apoiado por pessoas no acampamento base e que você é guiado através dos estágios da missão, para seu próprio aprendizado, seja lá o que for.

Você pode aprender a ampliar sua percepção, sentir auras e interagir com os campos de energia de outras pessoas. Você pode aprender que não termina na sua pele, que seu corpo físico é apenas a parte visível de você, que seu campo de energia toca o mundo.

Você pode participar de um curso de um ano em uma jornada guiada pela roda medicinal, tocando em todos os pontos e mostrando muitos aspectos de si mesmo, sua jornada de vida e sua conexão com a Mãe Terra, o Pai Céu e tudo o que é.

Com efeito, você pode passar por um programa de reeducação auto-escolhido e auto-direcionado para levá-lo de volta a si mesmo, de volta à sua natureza instintiva e ao seu eu espiritual, de volta à conexão com a Terra e o Cosmos. E não consigo pensar em algo que valha mais a pena com a vida de alguém neste momento de grande crise e oportunidade mundial.

O fim é sempre também um começo. Deixe-me concluir com a minha história de criação heyokah:

Era uma vez, em nenhum lugar, lugar nenhum

Viveu absolutamente nada.

Nesse lugar nenhum, nada sempre acontecia

Como havia feito por toda a eternidade, e absolutamente nada estava absolutamente farto!

Então, em um dia auspicioso quando as estrelas,

Se houvesse estrelas,

Teria estado em perfeito alinhamento, Absolutamente-Nada decidiu se dividir em dois, para que pudesse se encontrar e ver seu próprio reflexo.

E assim se dividiu em duas partes,

Duas coisas iguais e opostas, como afinal, só se pode criar algo do nada dessa maneira.

E um era chamado yin ou feminino, e o outro yang ou masculino.

E os dois agora se entreolharam

E ficaram profundamente atraídos por serem complementares, E também foram profundamente repelidos por serem diferentes, E então eles começaram uma dança,

E eles dançaram um para o outro,

E eles dançaram para longe um do outro,

E enquanto eles dançavam, eles balançavam e giravam e giravam,

Eles riram e riram com a pura alegria de ser.

Absolutamente Nada ficou tão satisfeito que agora algo estava acontecendo,

E percebeu que agora não era mais nada

Mas Absolutamente Tudo.

Essa percepção trouxe tanta alegria que o riso veio de dentro.

E como o grande feminino e o grande masculino

Girado e girado,

Surgiram tantos risos que não podiam ser contidos, tanta alegria que teve que irromper.

E aconteceu, um GRANDE BIG BANG.

E assim tudo se tornou um universo no espaço e no tempo.

E cortando uma história muito, muito longa, muito, muito, muito curta, em algum lugar cerca de doze a quinze ou mais bilhões de anos-Terra depois, aqui estamos, sem entediar, sonhando um grande sonho, desfrutando de uma grande peça, andando uma Grande Jornada…

Extraído do livro Princípios do Xamanismo – Ed. Harper

Compartilhe: