Xamanismo é troca , não é “de graça”

Xamanismo é troca , não é “de graça”

O xamanismo não é de graça, embora existam algumas atividades francas. Em lugar nenhum, do mundo é de graça. Muitas pessoas fazem essa confusão. O xamanismo não é religião, mas todas as religiões cobram de sua maneira (dízimos, doações, cerimônias, etc).

Xamanismo é troca. É muito comum trocar presentes. Na nossa sociedade a troca é o dinheiro. O Pajé Sapaim dos Kamayurás, por exemplo, recebe conchas na tribo e quando vem para os centros urbanos recebe dinheiro. Os xamãs, nas comunidades recebem vários presentes em trocas (pedras, alimentos, animais.jóias, etc), além de outros privilégios.

Infelizmente não vivemos num mundo que troca comidas, roupas por preces, orações. Nem a escola de nossos filhos aceitam, nem a telefônica. O dinheiro é energia de troca neste mundo que vivemos. Os xamãs trabalham com trocas. É absolutamente normal ! Muito difícil arrumar patrocinadores e muito mais ainda subvenção do governo. A grande questão, no meu ponto de vista é a exploração, é o abuso e o despreparo de condutores.

Que direito temos de julgar quanto vale o trabalho de alguém que usa seu tempo de forma honesta ? Porque uma pessoa que se dedica para o bem estar do outro, não pode ter uma parcela disso para o seu próprio bem estar? Porque que incomoda tanto se a troca for boa e justa?

Assim como tem um investimento para aprender yoga, tai-chi-chuan, I Ching, tantra, e outras praticas ancestrais, o xamanismo não foge a regra. Na Sibéria, que foi a célula-mater do xamanismo, tem uma Associação de Xamãs, que não permite que os trabalhos sejam de graça e nem permite abusos. Existe uma faixa de valores que o xamã pode praticar.

Na relação com o mundo dos espíritos ofertamos tabaco, flores, comidas, sacrifícios, dietas, abstinências, e outros. É uma relação de troca. Nada é de graça.

Estou falando isso sem apegos, pois ganho minha vida como professor de comunicação verbal(oratória) e como consultor de empresas. O trabalho que faço com xamanismo, serve para pagar parte do tempo para meus estudos xamânicos, manutenção do sítio, do meu ESPAÇO, pagamento das pessoas que fazem a produção do evento, luz, água, etc.

Sinto não haver restrições a quem ganha seu dinheiro vendendo carne, álcool, cigarros,refrigerantes, guloseimas, etc. A sociedade aceita isso, ou seja, comerciantes que contribuem para as maiores causas de doenças e mortes do mundo (obesidade, colesterol alto, câncer, etc), mas se incomodam com pessoas que ganham o seu dinheiro ajudando os outros. Me parece muito contraditório ! Você vê coerência nisso ?

Também não gosto de ver certos “xamanismos baratos”, que fazem anúncios de rituais sagrados como se fossem ofertas das Casas Bahia, tabelinhas de preço, estabelecendo comparações, colocando em dúvida a ética e a idoneidade daqueles que estão anos investindo em conhecimento e que têm o direito de fazer valer o seu trabalho.

Eu não faço xamanismo barato, peço um investimento que acho justo e digno com aquilo que investi e que posso oferecer. Eu já investi muito com viagens, livros, jornadas, iniciações e presentes etc. Agora, como tudo na vida, as pessoas precisam analisar o custo-benefício. Tem certas coisas na vida que não tem preço, e muitas vezes o barato ou de graça tem preços mais altos do que imaginamos.

Agora se uma pessoa não tem dinheiro é outra coisa. Pode-se estudar outra forma de troca, como trabalho, por exemplo. De graça é fazer pura demagogia. O amor é de graça, mas o tempo do condutor custa. Muitos condutores que conheço, fazem suas práticas de caridade e voluntariado. Agora cabe à cada um o livre arbítrio de como direcionar sua caridade. É diferente quando se atende um doente sem condições.

Ensinar xamanismo não é somente pratica de caridade, é o estudo de um caminho de conhecimento. Atender quem precisa e não pode pagar é caridade. Faço muitos trabalhos voluntários, parte do meu dízimo é para isso, agora não invisto em curiosos. Eu e minha esposa pagamos as mensalidades do centro que presidimos(pagamos para receber o próximo!). Do centro que eu fundei, dou meu tempo sem nada receber. Minha mulher faz trabalhos sociais em favelas.

Finalmente, o xamã tradicional não ensina xamanismo, não passa seus ensinamentos a outros que não sejam escolhidos por herança ou por provas Iniciáticas, sonhos, visões, etc. O xamanismo é ensinado por pessoas como eu e outros irmãos iniciados. Nossa sociedade tem tido acesso a esse conhecimento graças àqueles que se aventuraram a buscar nas tradições, nas provas iniciáticas e disciplinas o sacro-ofício.Além disso compartilham suas próprias visões e instruções e levam parte desses conhecimentos para as pessoas receberem confortavelmente nas cidades e nos sítios.

O dinheiro como toda a energia, foge das mãos daqueles que o discriminam. O dinheiro quando usado para “boas obras” é positivo. Quanto vale o auto-conhecimento, cura, equilíbrio e felicidade ? O que os condutores de praticas xamânicas fazem não têm preço. Não tem como colocar numa tabela. Vamos pois, meus irmãos, vibrar na prosperidade, que o Universo se encarrega dos detalhes.

Harmonia – Amor – Paz e luz !

Léo Artése

ENTRE EM CONTATO

Envie um e-mail para a equipe do Site


©Desenvolvido por Agência Rumi

ou

Fazer login com suas credenciais

Esqueceu sua senha?