Semana Santa: a Paixão de Cristo, a Páscoa e a Ressurreição de Jesus.

Semana Santa: a Paixão de Cristo, a Páscoa e a Ressurreição de Jesus.

paixao-de-cristo

 

Um momento de introspecção de serenidade, pois marca no inconsciente coletivo, a Paixão de Cristo , a Páscoa e a Ressurreição de Jesus. É a Grande época do Ano Cristão. São inúmeras os traços de práticas xamânicas no cristianismo.

Semana Santa Segundo a Igreja Católica:

Na Semana Santa o mal atinge o seu auge: na mentira, na malícia, nas armadilhas, no falso testemunho, na traição, na crueldade, nas torturas… A morte utiliza muitos recursos para se impor. Também na Semana Santa, Jesus coloca sinais de vida na oração, na purificação do templo, nas curas, no ensino da humildade, na última ceia (Santa Ceia), na sua entrega em favor de todos.

Domingo de Ramos

É o primeiro dia da Semana Santa. O Domingo de Ramos só passou a ser celebrado a partir do século V neste dia, lembramos a entrada triunfal de Jesus em Jerusalém, onde foi proclamada a Paixão de Cristo.

Quinta-feira da  Semana  Santa

É também conhecida como Noite de Endoenças. Neste dia lembramos a última ceia de Jesus com seus discípulos.

Sexta-feira Semana  Santa

Neste lembramos o sofrimento, a humilhação e a morte de Cristo em favor de todo seres humanos.

Domingo de Páscoa

De origem hebraica, a palavra. Páscoa significa passagem da escravidão pra a liberdade. É a festa cristã que comemora a passagem da morte para a vida.

É o primeiro Domingo após a morte de Jesus Cristo. É também o dia de sua ressurreição.

No Santo Daime, nosso Mestre Irineu nos recomenda uma dieta de 3 antes e 3 depois da Sexta-Feira Santa (carnes,sexo,álcool), começando, este ano, dia 06 e terminando dia 12 às 24:00 hs. Chris e eu, estamos fazendo um estudo pessoal de disciplina que irão somar, no final, 48 dias. Um estudo nosso! Estamos, desde a quarta-feira de cinzas somente com práticas tântricas e, como já somos vegetarianos, há muitos anos, cortamos também o café (por ser estimulante) e o vinhozinho que gostamos de celebrar juntos. Mas a grande dieta é a da nossa mente. Para fazer essa disciplina sem sofrimento é necessário a disciplina mental. Limpar nossos pensamentos. Dar uma trégua ao coração. Meditem sobre o que representa essa semana, e vão se preparando desde já. Firmados no Cristo Interno . A energia da sexta feira é a do perdão e do amor incondicional. Foi no momento de maior dor e humilhação que o Mestre Jesus perdoou e remiu a humanidade

Mantendo o foco da nossa atenção no momento cristão de “Grande Relevância”, que é a “Paixão” do Mestre Jesus Cristo, O Mestre da Missão Cristã, que no momento máximo de sua dor terrena, nos deixou a Lição do Perdão, baixo transcrevo partes um texto para a reflexão, extraído do livro de minha querida amiga : Mônica Buongliglio : Jesus : Palavra de Fogo.Ela examinou um volume muito grande de informações, escrito por diversas fontes, obtida dos mais variados lugares do mundo,tais como os Evangelhos, os Essênios, Evangelhos Apócrifos, Teosofia, Cabala, Esoterismo, Rosa Cruz, Fraternidade Branca,etc.

jesus-semana-santa

” Para melhor entender o que se passou, e como se chegou a este sangrento epílogo, vamos fazer um breve resumo dos acontecimentos.

O reino de Herodes (por volta de 37 d.C.) foi caracterizado por muitas rebeliões, e por uma situação política bastante confusa. Havia uma continua luta entre os romanos e judeus.. Como os romanos estavam encarregados de manter a ordem social, e de também agir como policiais comuns em seus territórios conquistados, os crimes mais banais confundiam-se muitas vezes, com crimes políticos. Conseqüentemente, muitos prisioneiros que foram chamados de ladrões eram, na verdade, fanáticos religiosos e políticos que tentavam, a todo custo, combater o domínio romano.

Entre esses rebeldes alinhavam-se os fariseus, os saduceus e os essênios. Outros dizem que os essênios não participavam desses movimentos de revolta, sendo pacifistas por opção.

Entre os judeus repetiam-se as crises políticas, e a insatisfação era geral, criando a enorme ansiedade pela chegada do Messias, do Libertador, que fora tantas vazes citado nos versículos dos Salmos.

Todos esperavam por aquele que iria restaurar o império de Davi e de seu sucessor, Salomão, libertando a terra judia desses invasores odiosos.

A vida pública de Jesus transcorreu nesse ambiente de animosidade, onde qualquer um que se destacasse por suas posições filosóficas, religiosas ou políticas era considerado um revolucionário, um agitador.

Segundo os Evangelhos de Lucas, Mateus e Marcos, a vida pública de Jesus durou apenas dois anos. Já no Evangelho de João, citam-se três Páscoas das quais Jesus teria participado. Numa dela, Jesus deixou Seu refúgio nas montanhas de Efraim, e, acompanhado de Seus discípulos, dirigiu-Se para Jericó. Cinco dias antes da festa, Jesus entrou na cidade, montado em um jumento, e a todos que perguntavam quem era Ele, respondia :

– Não julgue que vim trazer a Paz, mas a espada . (Mateus, 10,34).

Ao mesmo tempo que Jesus chegava a Jerusalém, dizia as palavras acima e atacou os vendilhões do Templo, chegavam Pilatos e seus 600 legionários, preparados para intervir em casos de distúrbios ou agitações, ocorrências muito comuns em épocas de festividades.

O próprio homicídio cometido por Barrabás, por exemplo, segundo muitos estudiosos, pode ter sido um crime político, e não simplesmente um, assalto ou uma briga de rua. Paralelamente, os chefes dos sacerdotes e os escribas procuravam uma forma de prender Jesus e matá-lo logo em seguida, por considerá-lo uma ameaça real aos seus poderes.

Os que perseguiam Jesus decidiram aguardar que terminasse o período de festas, como é citado em Marcos, 14-1-2, para tomar uma atitude decisiva e rápida. Se era necessário que Jesus morresse, e eles achavam que sim, teria que ser um processo sumário e de conclusão eficiente, de modo a não permitir nenhuma reação por parte de qualquer pessoa ou grupo. Como é habitual na História, um grupo revolucionário poderia simplesmente utilizar-se de Jesus para deflagrar uma luta armada, mesmo que Ele não tivesse nada a ver com isso.

Os fariseus tentaram incriminá-lo num debate público, ridicularizando-o de todos os modos, mas Ele estava preparado para isso. Noutra passagem, citada por Marcos, colocaram à prova Sua Doutrina de reencarnação. (Marcos 12,19-37)

Ao final destas análises, podemos até especular que o próprio Jesus forneceu aos sacerdotes e aos políticos, deliberadamente, uma causa perfeita para que O prendessem e concretizassem o que vinham pretendendo já há algum tempo, que era matá-Lo, coincidindo com o que lhe cumpria fazer na missão que o Pai lhe confiara.

No relato de João , podemos considerar que Jesus subiu para o Monte Gólgota, o “Calvário”, por caminhos que hoje são identificados como ” Via Crucis”, ou seja ” O Caminho da Cruz “. Lá chegando Ele foi crucificado.

Nos evangelhos não temos nenhuma informação quanto ao mês ou ao ano em que Jesus foi crucificado. Todos os evangelhos concordam, no entanto, que Jesus foi crucificado numa sexta-feira, após celebrar a ceia de Páscoa na quinta feira, ou no décimo-quarto dia de Nisã, quando se consumia o cordeiro pascal.

Na sexta-feira, décimo-quinto dia de Nisã, orava-se pelo primeiro dia santo das festas judaicas. É difícil crer, portanto, que Jesus houvesse sido preso e julgado pelo Sinédrio, composto de 71 cidadãos judeus, nesse dia santo. Mesmo assim há estudiosos que dizem que isso de fato ocorreu.

Quem presidia a corte suprema era Caifás. Entre os anciãos que faziam parte do Sinédrio estava José de Arimatéia, um rico e influente dono de terras, que votou contra a decisão de crucificar Jesus. Lembremos que, segundo várias fontes, José de Arimatéia era tio-avô de Jesus, além de tê-Lo como amigo e companheiro de longas viagens, inclusive a Grã-Bretanha.

Um dos momentos mais importantes do interrogatório de Jesus se deu quando Caifás perguntou a Cristo se “Jesus é filho do Deus vivo” (Mateus, 26,63), e Jesus respondeu : ” Tu o disseste”.

Esta afirmação fez com que Caifaz confirmasse Sua condenação. Ficou, então, decidida Sua morte, sendo definida a pena de pendurá-Lo a uma árvore. Enforcamento, portanto. Mas havia dois problemas para que essa sentença fosse executada : primeiro, era um período de celebração pascal, dias de recesso para os judeus, proibindo qualquer atividade que possa ser interpretada como trabalho, e segundo, havia uma decisão recebida de Roma, que ordenava que não se poderia condenar ninguém sem a presença de um procurador romano.

Essa decisão incluia também a determinação de que os judeus não poderiam se reunir em assembléia fora dos limites do Templo, e mesmo nesse espaço predeterminado, essas reuniões só poderiam acontecer durante o dia. Mas havia a pressa com que todos desejavam resolver o assunto, para evitar possíveis reações.

Pelo que pudemos observar, Pilatos, desde o primeiro momento, não fora favorável à condenação de Jesus, procurando convencer os responsáveis pela acusação de que Ele deveria ser libertado.

Foi nessa ocasião que, vendo inúteis seus esforços, ele, num gesto simbólico, lavou suas mãos, passando a responsabilidade pela morte de Jesus para os judeus (Mateus, 27-24)

Mesmo nos esforçando por descrever todo o processo de julgamento e condenação de Jesus, culminando com a turba, liderada por caifá, clamando por Sua Morte, muita coisa ficou ainda por ser estudada, como veremos a seguir. Um dos métodos de certificação da morte era o costume de se quebrarem as pernas do crucificado.Se ainda não estivesse morto. Esse trauma seguramente apressaria seu passamento, pois sem o apoio das pernas, e pendurado apenas pelos braços, a asfixia pela compressão dos pulmões seria inevitável e rápida. O condenado não conseguiria respirar e morreria. No caso de Jesus esse procedimento não foi adotado. Não Lhe quebraram as pernas. Por que ?

Nos relatos sobre a crucificação de Jesus encontramos um trecho em que se conta que um soldado enfiou uma lança em seu tórax, fazendo brotar sangue e água. Esse soldado foi Longinus, e foi o romano designado para acompanhar a execução. Essa rotina de enfiar uma lança no corpo do crucificado tinha a finalidade de certificar-se de que o falecimento já havia ocorrido. Parece-nos que, se era essa a intenção, muito mais lógico seria procurar a área do coração, e não a parte inferior do tórax. Também é interessante se saber Longinus se tornou cristão, chegando a ser um bispo da Igreja. Ele poderia, portanto, estar envolvido no plano desenvolvido por José de Arimatéia para salvar Jesus da morte na cruz, e ao mesmo tempo esconder o fato de todos.

Não há, nos evangelhos, nenhuma descrição direta de como Jesus teria sido pregado na cruz. Se os pregos fossem colocados em suas mãos, o peso de Seu corpo provavelmente as rasgaria. Pode ser que tenha sido pregado, realmente, mas com os cravos atravessando Seus pulsos e não Suas mãos. De qualquer forma, o hábito mais freqüente era se amarrar os pulsos dos crucificados, como foi feito com os dois ladrões que ladeavam Jesus no Gólgota.

Será possível acreditar que também Seus pés não foram pregados ?

Sabemos que nos anos 60, por exemplo, foi encontrado um túmulo contendo os restos de um homem morto por crucificação, mais ou menos na mesma época de Jesus. Esse corpo tinha as marcas de perfurações de pregos em seus calcanhares, levando a crer que ele teria sido crucificado de pernas abertas, com cada perna colocada em uma trave.As representações nas pinturas de Jesus crucificado, preso com três pregos, devem-se a Helena, mãe de Constantino, que teria descoberto esses pinos.

Sabe-se que a agonia na cruz podia se estender por até cinco dias, razão pela qual Pilatos ficou surpreso quando lhe foram reclamar o corpo antes desse prazo. É bastante possível que Jesus tenha sido retirado da cruz ainda com vida. Se Poncio Pilatos ficou surpreso com a rapidez da morte de Jesus, porque consentiu na retirada do corpo ? Teria ele feito vistas grossas colaborando para que o plano desse certo ?

Para nossas dúvidas contribui também o fato de que Jesus foi colocado, após a retirada da cruz, num local incomum, se considerarmos os costumes da época. Os túmulos judaicos de então consistiam de aberturas parecidas com fornos, onde nenhuma luz penetrava. Mediam mais ou menos 50 cm. de largura por 2 metros de profundidade. Nos relatos evangélicos encontramos que Jesus foi colocado num local bem mais arejado, onde inclusive entrava luz, sobre um suporte. Na descrição de Maria, ela dizia ver dois anjos, um sentado `Sua cabeceira, outro “aos pés de Jesus”.

Outro detalhe curioso quanto à crucificação : José vinha de uma cidade Arimatéia, situada próxima à Jerusalém. Qual seria a razão para que ele, algum tempo antes da crucificação, tenha comprado um terreno próximo ao Gólgota e ali construído um túmulo familiar ? Será que já havia algum plano para se tentar retirar Jesus da cruz ainda com vida ? Ou seria apenas um local de melhor qualidade para receber o corpo de Jesus ? Podemos apenas especular a respeito, pois não há respostas disponíveis.

Sabemos, no entanto, que no momento em que Jesus diz ter entregue Seu espírito a Deus, José imediatamente providenciou a Sua retirada da cruz, obtendo permissão com certa rapidez, em virtude de sua condição de membro importante do Sinédrio. Alguns estudiosos conjeturam que ele, sendo um homem rico, tenha pago uma alta soma em dinheiro para obter a permissão para liberar o corpo de Jesus. Mas como dissemos, a palavra final, autorizando a retirada de Jesus da cruz, foi de Pilatos, como representante do governo romano.

Aparentemente há controvérsias também quanto ao exterior do túmulo onde Jesus foi colocado. Apenas no relato de Marcos cita-se a presença de centuriões ou soldados guardando o local.

Mesmo após Sua morte, se ela se deu na cruz, os relatos a respeito do que aconteceu parecem bastante controversos.

Alguns dizem que quando Jesus ressuscitou e elevou-se às alturas, antes Ele rolou a pedra que fechava o túmulo. Devemos aceitar a idéia que Ele, que tantos feitos grandiosos havia concretizado, que era considerado um verdadeiro Mago, ainda assim, para sair de Seu túmulo, dependesse de abrir caminho físico, retirando a pedra que guardava a entrada ?

Pois no texto apócrifo de Pedro encontramos que o soldado que estava na guarda da porta do túmulo viu três homens saindo, um deles amparado pelos outros dois.

Pode haver confusão inclusive no sentido da palavra “ressuscitar”. Em aramaico, a palavra “ressuscitar” não significa voltar à vida, mas sim, recobrar os sentidos, o que descreve coisas bem diferentes entre si, embora parecidas.

No episódio em que Jesus, depois de ressuscitar aparece para seus apóstolos, descrito por Lucas, (24:38-43) um trecho muito interessante, que pode levar à diversas interpretações, é aquele que Jesus fala : ” Por que vocês estão perturbados com Minha presença ? Sou Eu mesmo. Vejam minhas mãos e meus pés. Um espírito não tem carne nem ossos, como vocês vêem que tenho “. Nos escritos disseram que trouxeram comida para ele. E Jesus comeu diante deles. Esse acontecimento parece nos indicar claramente que estamos tratando de um Jesus vivo, mostrando, aos que não acreditam. De qualquer forma, José de Arimatéia e Nicodemus não poderiam interromper a crucificação e nem o processo de tratamento do corpo que se seguia, para não levantar nenhuma suspeita.

Durante os preparativos para o plano encomendaram um tecido de linho muito caro, proveniente da Síria. Era um material tão bem feito que seu padrão de textura era chamado de “espinha de peixe”, devido´`a sua enorme resistência. Essa peça de linho é op Santo Sudário, que dois pesquisadores, chamados Holger Kersten e Elmar R. Gruber, afirmam ser o verdadeiro Sudário.

É évidente que estes textos polêmicos são para reflexão. Eu prefiro ficar com o hino que diz :

Os ensinos de Jesus 
Poucos souberam explicar 
Pra entender sua lição 
De coração eu devo amar.

A semana santa, é um momento de introspecção de serenidade, pois marca no inconsciente coletivo, a Paixão de Jesus, a Páscoa e a Ressurreição de Jesus. É a Grande época do Ano Cristão. São inúmeros os traços de práticas xamânicas no cristianismo. Eu considero Jesus o “Grande Xamã Iluminado” que mudou a era do nosso planeta.

Segundo a Igreja Católica,na Semana Santa o mal atinge o seu auge: na mentira, na malícia, nas armadilhas, no falso testemunho, na traição, na crueldade, nas torturas…A morte utiliza muitos recursos para se impor. Também na Semana Santa, Jesus coloca sinais de vida na oração, na purificação do templo, nas curas, no ensino da humildade, na última ceia (Santa Ceia), na sua entrega em favor de todos.

O Domingo de Ramos é o primeiro dia da Semana Santa. Só passou a ser celebrado a partir do século V, neste dia, lembra-se a entrada triunfal de Jesus em Jerusalém, onde foi proclamada a Paixão de Cristo. Na Quinta-feira Santa, também conhecida como Noite de Endoenças, lembra-se a última ceia de Jesus com seus discípulos A energia da sexta feira é a do perdão e do amor incondicional. Foi no momento de maior dor e humilhação que o Mestre Jesus perdoou e remiu a humanidade.Na Sexta-feira Santa lembra-se, no mundo cristão, o sofrimento, a humilhação e a morte de Cristo em favor de todos seres humanos.

De origem hebraica, a palavra. Páscoa significa passagem da escravidão pra a liberdade. É a festa cristã que comemora a passagem da morte para a vida. É o primeiro Domingo após a morte de Jesus Cristo. É também o dia de sua ressurreição.

Evidências xamânicas :

No Domingo de Ramos (Dia 04 de Abril) inicia-se a Semana Santa que vai até o Domingo de Páscoa. Desde há diversos anos o Domingo de Ramos é a festa anual da juventude, pois as crianças e jovens gritavam por Jesus no templo, e os sacerdotes e escribas perguntaram :

– Ouve o que eles dizem ? E Jesus respondeu :

– Sim, nunca lestes : “Da boca das crianças, ó Deus, tiraste os mais belos louvores”

semana-santa

O Domingo de Ramos recebe este nome porque neste domingo é relembrada da entrada solene e triunfal de Jesus em Jerusalém, como relatado nos evangelhos de: Mt 21,1-11; Mc 11,1-11; Lc 19,28-40 e Jo 12,12-16. Este domingo teve outros nomes, de acordo com a vertente litúrgica compreendia e o destaque se dava a este domingo. Nesse dia, os fiéis recordam a última entrada de Jesus em Jerusalém, entrada cheia de glória e de humildade.

O povo recebe Jesus como um rei, com exclamações de alegria e agitando ramos de palmeira como sinal de “viva!”. É esse o significado do “Hosana” que se proclama nessa ocasião (o termo “Hosana” é, literalmente, invocação de socorro: “salva-nos!”).

Diz o Evangelho que “toda a cidade se alvoroçou” (Mt 21,10), mas esse rei não tem poder algum senão o do amor, nada senão a liberdade, outra coisa não pede senão esse mesmo amor e essa mesma liberdade. “Eis que o teu rei vem a ti… humilde” (Zc 9,9). Esse texto do profeta Zacarias é citado pelo evangelho de Mateus (21,5)

Nesse encontro entre humildade e soberania, entre o poder e o amor, entre a glória e a liberdade reside o significado eterno desse dia. Entrando em Jerusalém, Jesus sabe porém que a exultação por parte da multidão O introduz no coração do “mysterium” da salvação. Está consciente de que vai ao encontro da morte e não receberá uma coroa régia, mas uma coroa de espinhos

Uma multidão proclama a realeza messiânica de Cristo. A seguir a essa festa do Reino de Deus que começou a se manifestar, seguir-se-ão dias de tristeza e de trevas. O poder terreno não esquecerá e não perdoará o triunfo de Cristo, o condenará à morte e fará de tudo para extirpar até a última migalha de Seu terrível ensinamento, pois é insuportável seu apelo à liberdade, ao amor, à verdade.

É útil lembrar a simbologia da “palmeira” na Bíblia: ela é sinal de prosperidade: “Eis que como a palmeira brota o justo” (Sl 92,13), de sabedoria: “Cresci alto como a palmeira de Engadi” (Eclo 24,14), de beleza: “Teu porte se parece com o da palmeira” (Ct 7,8). Seus ramos são levados como sinal de vitória, como também nos cortejos dos cônsules romanos vencedores. Somente depois da época das perseguições aos cristãos é que a palmeira é sinal de martírio e da vitória da fé.

O Domingo de Ramos era conhecido com os latinos de: “Pascha Floridum”; “Pascha Florum” ou “Dies Floridus”. Todos estes nomes tem o mesmo significado: “Páscoa das Flores” ou então como diz o último nome, “Dia das Flores”, pois no Domingo de Ramos, como ainda hoje acontece em algumas localidades, abençoam-se palmas, ramos de árvores ornados com flores e flores para saudar Jesus durante a procissão dos ramos.

Seu ramo simboliza você, que é parte da videira, árvore que representa Jesus. Depois da cerimônia, os ramos são queimados para serem usados na Quarta-feira de Cinzas do próximo ano.

Aparentemente há controvérsias também quanto ao exterior do túmulo onde Jesus foi colocado. Apenas no relato de Marcos cita-se a presença de centuriões ou soldados guardando o local.

Mesmo após Sua morte, se ela se deu na cruz, os relatos a respeito do que aconteceu parecem bastante confusos.

Alguns dizem que quando Jesus ressuscitou e elevou-se às alturas, antes Ele rolou a pedra que fechava o túmulo. Devemos aceitar a idéia que Ele, que tantos feitos grandiosos havia concretizado, que era considerado um verdadeiro Mago, ainda assim, para sair de Seu túmulo, dependesse de abrir caminho físico, retirando a pedra que guardava a entrada ?

Pois no texto apócrifo de Pedro encontramos que o soldado que estava na guarda da porta do túmulo viu três homens saindo, um deles amparado pelos outros dois.

Pode haver confusão inclusive no sentido da palavra “ressuscitar”. Em aramaico, a palavra “ressuscitar” não significa voltar à vida, mas sim, recobrar os sentidos, o que descreve coisas bem diferentes entre si, embora parecidas.

ENTRE EM CONTATO

Envie um e-mail para a equipe do Site




©Desenvolvido por Agência Rumi

ou

Fazer login com suas credenciais

Esqueceu sua senha?