Roda Medicinal – Direção Sul – A Renovação

Spread the love

 

Direção Sul –  A Renovação/Sabedoria

A Direção Sul (Hemisfério Sul) é o portal da Sabedoria, do Conhecimento, do Intelecto. Representa o Corpo Mental, lembrando que a mente aqui não é o cérebro. O cérebro é um instrumento da mente. O cérebro é físico, material. A mente é invisível, ela pode ir para qualquer lugar . O conhecimento é aquele que pode ser transformado em sabedoria. O Sul é associado com o inverno quando a Terra está sendo renovada, quando a Terra está se purificando. É onde transformamos os acontecimentos de nossa vida em experiências de vida. O inverno nos força a ficar mais tempo dentro de nossas casas, dentro de nossas mentes, e nos preparar para um período de crescimento e desenvolvimento.

É o local da ressonância harmônica. . No período do Inverno, o Búfalo Branco, solta uma grande quantidade de fumaça branca, simbolizando a fumaça do Cachimbo Sagrado, instrumento de preces e ação de graças. É através da fumaça do cachimbo que nossas preces chegam a Wakan Tanka. O ar, ou melhor, o Vento ( o ar em movimento ) é o elemento que rege esta direção. Representa também o Reino Animal, e a palavra animal abrangendo tudo o que é animado ( 4 pernas, 2 pernas, criaturas aladas, insetos, peixes…)

Essa estação nos oferece uma oportunidade para revermos tudo aquilo que aprendemos em nossa vida e aprendemos com quem e como compartilharmos essa sabedoria. Ela representa os buscadores de conhecimentos que nos oferecem novas visões da humanidade e também os sábios e anciões que serviram -nos de inspiração através dos tempos. Honramos nossos ancestrais.

Incorporamos os conhecimentos de Fonte Superior, para entender melhor a vida na Terra. É a Direção que aprendemos a respeitar o Sagrado Ponto de Vista dos Outros. Nós integramos nossas experiências em nossas palavras, pensamentos e ações. O Sul é o local da paz, do silêncio. O lugar que aprendemos a escutar e a compreender. É a Direção da Honra. O Corpo Celestial são as estrelas, que também representam os sábios de outros planetas, de outros sóis.

É o lugar da Sabedoria e do conhecimento .Da beleza e da ressonância harmônica. Da imaginação ilimitada e do intelecto. Dos sábios, anciões e ancestrais. É o local de preces e de agradecimento. É o local da honra.

Você poderá, por exemplo, sentar-se ao Sul caso esteja em época de provas ou exames nos estudos. E, para quaisquer questões que envolvam raciocínio, intelecto, memória.. Ou quando sente que sua vida precisa ser harmonizada, ou simplesmente para agradecer alguma graça recebida. Quando queremos nos conectar com nossos ancestrais xamânicos e seres extra terrestres. Em seu altar xamânico acenda um incenso representando a direção Norte.

O inverno é o tempo mais paradoxal da Roda Medicinal. É o tempo em que as coisas parecem estar adormecidas. Contudo, com a aparente dormência, um dos maiores crescimentos está ocorrendo. É no inverno quando as sementes permanecem congeladas dentro da terra, que elas pegam para sí as energias da terra que lhes permitem crescer nas estações por vir. É no Sul que nossos corpos não conseguem se mover tão facilmente quanto o fizeram no passado ou farão no futuro, que parecemos forçados a levar para dentro de nós a sabedoria do Espírito que usaremos à medida que contiuamos a nossa jornada em torno da Roda.

O tempo de Waboose é um tempo para desacelerar, de aparente restrições. É quando a atividade exteriormente diminui efetivamente. É um tempo de escuridão, quietude e sonhos. É uma época em que os humanos estão fragilizados, quando sua pele está enrugada.

É uma época em que muitas pessoas atingem uma compreensão de suas próprias vidas, uma aceitação do que elas alcançaram e do que não. Pode ser um tempo de paz, um tempo de poder, um tempo de perdão, de compaixão por tudo à sua volta. É época de se libertar de velhos padrões de comportamento, para se render às pequenas mudanças do corpo e da mente em preparação, para as mudanças maiores que virão.

O inverno é um tempo para ambos, começo e fim, morte e vida, nova vida embutida numa morte aparente. No inverno a terra aparenta estar morta, no entanto há muita coisa acontecendo lá. O mesmo acontece na vida humana. Mesmo quando nos libertamos de nossos envelopes humanos, nosso Espírito, nossa energia vai para um lugar que nos prepara para um novo começo que virá.

A maior lição do inverno é a dádiva. É a nossa maior responsabilidade compartilhar com os outros a dádiva do nosso conhecimento adquirido na jornada da Roda, a dádiva de nossos corpos à Mãe Terra, que nos alimentou enquanto nela estivemos, e do amor que compartilhamos com todos os outros seres, sabendo que quanto mais damos amor, mais recebemos.

Um dos presentes do inverno é a compreensão intuitiva dessa dádiva. Junto com esta compreensão estão as faculdades psíquicas mais ativadas e uma grande perspicácia em sintonizar sonhos e visões, tanto nossos como de outras pessoas.

É uma época para se contemplar a vida e seus paradoxos. É uma boa época para se pensar a respeito das questões da vida e da morte e examinar atitudes em relação à isso. É tempo de aprender a ter paciência. Época em que suas habilidades psíquicas e místicas estarão bem acima da média. É tempo de ver como se sente a respeito dos presentes que a vida lhe deu. É época de se praticar pequenas doações que o preparam para as maiores.

Durante as épocas de inverno, você precisará centrar-se, lembrar que é tanto um ser da Terra, como do Céu. O poder do inverno é o da aceitação da morte e a necessidade de compartilhar tudo o que foi dado.

Segundo Keneth Meadows, é associado à mente e ao poder que algumas vezes é descrito como : ” O poder de sustentar o que o conhecimento pode trazer “. O poder se expressa através da mente e a reação humana é o modo que nós mentalmente abordamos as mudanças e crenças que formam a filosofia de vida. A mente é a grande fonte criativa.

É o poder que traz as experiências de vida que serão purificadas e renovadas na mente e nas questões humanas. Desde que o frio nos força a ficar mais dentro de casa, sua influência traz atenção para questões internas mais do que externas e a fazer o uso do tempo como preparação efetiva para um período de rápido crescimento e desenvolvimento que virá adiante.

É também quem nos faz buscar o calor de nossos corações e a compaixão.

ATRIBUTOS DO SUL
(Adaptação para o Hemisfério Sul)
por Kenneth Meadows : Livro The Medicine Way

Qualidade: Conhecimento e sabedoria

Conhecimento é aquilo que nós conhecemos. Isto é processo de conhecimento. Conhecer é ter um entendimento através da experiência pessoal do que é conhecido. Conhecimento está acima da crença. Crença é confiar na palavra ou opinião de outro. A opinião é não saber. Quando o que está sendo acreditado já é sabido, não é nenhuma opinião mas conhecimento.

Para os antigos, o conhecimento abrangia filosofia, religião e ciência que não eram disciplinas separadas, mas integradas ao conhecimento único. No entanto, a aquisição de conhecimento por si só não foi considerada suficiente. O conhecimento precisava ser estendido em sabedoria.
Conhecimento responde a perguntas como What? Como? Quando? Onde? e quem? O conhecimento se torna sabedoria quando fornece respostas para a pergunta Por quê?
Sabedoria também é conhecimento aplicado. A verdadeira sabedoria é o conhecimento aplicado com amor. A sabedoria se manifesta quando o conhecimento que envolve filosofia, religião e ciência é aplicado com amor. Essa é a lição que a qualidade do Sul tem para nos ensinar.

Totem do Sul : Búfalo

O búfalo era o animal mais importante para o índio americano porque fornecia tudo o que era necessário para sustentar a vida. Sua carne era comida, sua pele e pele forneciam material para a roupa e para a casa tipi. As tendas foram usadas como fio, e os ossos foram transformados em agulhas, facas e outros implementos.
O búfalo era assim um animal que dava sua totalidade, para que o homem pudesse viver. O búfalo simbolizava o Espírito que se doa totalmente e de sua essência no processo da vida. Foi também um símbolo da dependência do homem da natureza para a sua própria vida.

 Elemento: Ar.

A característica do Ar Elementar é movimento, movimento, locomoção, mudança constante, muitas vezes súbita e às vezes inesperada. É leveza, frescor, liberdade e alegria. O ar traz o “sopro da vida” e está se transformando. É a qualidade a que nos referimos quando falamos de algo que entra em nossas vidas como uma lufada de ar fresco ‘, transformando toda a atmosfera.

O ar tem a característica de ser um portador. Nossos pensamentos, sonhos e aspirações são carregados como se por ar. Os pensamentos parecem vir do nada – fora do ar. Assim, o Ar representa as características da Mente que tem a capacidade de se movimentar livre e rapidamente.
Aprenda a ouvir o vento porque ele toca a alma de todos os seres vivos e carrega em suas viagens uma partícula de tudo que toca. Quando você aprende a andar não mais trancado dentro de seu veículo ou carne, mas livre para planar e vagar como um pássaro, Então você percebe que as amarras, os animais e as árvores são todos um, respirando o único Grande Vento e sendo respirar por ela.

Você não pode ver o vento, mas está lá, e se você apenas parar de toda a sua agitação e ficar parado por um tempo, sentirá sua presença e, com a mesma certeza, a presença do Grande Espírito. O vento dobra árvores poderosas e as balança para longe com um sussurro, mas você não pode vê-lo – apenas esteja ciente de sua presença e sua força. Ele vem e vai, mas está sempre “lá”

Cor: Branco

O branco é a cor da pureza, do equilíbrio, e da vida que renova-se. O branco é a soma de todas as cores do arco-íris e representa assim a perfeição ou a conclusão. Simboliza as aspirações mais elevadas. O branco indica o pureza da intenção.

Reino: Animal

A humanidade civilizada, vivendo nas grandes cidades e engolfada pela tecnologia de botão, perdeu o contato com a natureza, por isso está totalmente confusa com o reino animal. Por um lado, o amor é expresso para os animais domésticos, mas muitas vezes de maneira desequilibrada, de modo que cães, gatos, pássaros, peixes e às vezes até répteis são tratados como seres humanos mimados e mimados. Por outro lado, os animais podem ser tratados como objetos insensíveis e de valor apenas na medida em que podem ser usados ​​para satisfazer os requisitos do homem.

Parte da razão para a desconsideração do valor intrínseco da vida animal é a crença de que os animais não têm alma e estão meramente aqui na Terra para serem usados como a humanidade julgar adequada. Até os tempos modernos, havia uma crença quase idêntica sobre as mulheres e os teólogos durante séculos sobre se as mulheres tinham almas!

Mas o índio sabia que assim como o homem tem um espírito que lhe permite ter consciência do seu ambiente e da realidade que é agora, os animais também. Um espírito animal experimenta o ambiente físico tanto quanto os humanos e com a mesma intensidade, mas de maneira mais restrita e disciplinada, pois não é dotado de livre arbítrio em sua expressão como é o espírito humano e é motivado pelo instinto. No entanto, do ponto de vista espiritual, um espírito animal pode ser desenvolvido ao longo de seu caminho evolutivo mais do que o espírito de muitos humanos com os quais ele pode entrar em contato. Se você tiver mantido um animal doméstico, particularmente um gato ou um cachorro, você terá experimentado como um animal pode demonstrar amor e lealdade e trazer conforto e compreensão. Assim, os índios vermelhos não consideravam os animais como criaturas inferiores, mas como expressões do Grande Espírito operando de maneira diferente.
Só porque um animal não pode falar uma língua humana, estamos certos em assumir que ele é “burro” e carente de qualquer consciência psicológica sensível? O índio reconheceu que os animais tinham uma maneira diferente de conhecer. Ele observou quão estreitamente em contato com o espírito das árvores e plantas que eles eram. Ele observou como os animais pareciam se afastar de uma área de perigo iminente, freqüentemente muito antes de tal perigo se tornar aparente. Ele notou, por seu comportamento, como eles se preparavam para as mudanças do clima, mesmo antes de uma mudança iminente no padrão climático aparecer nos céus. Reconhecendo todas essas coisas e desenvolvendo uma compreensão dos animais, o índio adquiriu algo da capacidade do animal e, ao fazê-lo, ampliou seu próprio alcance de consciência. Nós podemos fazer o mesmo.

O índio aprendeu muito do que sabia sobre alimentos e remédios de animais porque observou que os animais pareciam ser guiados às plantas certas para curar suas próprias doenças ou feridas. Ursos, por exemplo, cobriram suas feridas com cicuta. Alguns animais mordiscavam folhas de snakeroot  (Ageratina altissima )para protegê-lo do veneno das picadas de cobra. Vários pequenos animais e pássaros saboreavam o fruto da madressilva de uva que os índios consideravam de particular valor como laxante.
Animais, aves, insetos, répteis e peixes fazem parte do reino animal que os índios categorizaram como quadrúpedes, duas pernas, alados, rastreadores e nadadores, e todos podem se comunicar com o humano enviando uma impressão que é vista na mente. E porque cada criatura é em si uma expressão do Grande Espírito, ela pode assim comunicar às “mensagens” da mente humana do Grande Espírito. Então os animais que são descritos como ‘receptores’ de energia na cosmologia ameríndia podem transmitir essa energia para a mente humana e, assim, ser os grandes nomes da humanidade.

Corpo Celestial: As Estrelas

Estima-se pelos astrônomos que existem cerca de 5.000 estrelas visíveis a olho nu e mais de 200.000 que podem ser vistas através de binóculos com lentes de 50mm. A galáxia, estima-se, contém pelo menos várias centenas de milhões de estrelas!

Mesmo que o índio estivesse limitado ao que poderia ser visto a olho nu em uma noite clara, as estrelas eram suficientemente profusas e impressionantes para servir como um símbolo de universalidade e proteção divina. Estrelas aparecem em orações para o Avô Sol e todas as estrelas que são sóis para outros planetas. Para tais estrelas eram os grandes portadores de vida, como o nosso próprio sol. Embora para nós as estrelas pareçam apenas pontos de luz intensamente radiantes, cada pontinho de luz é um sol rodopiante. Alguns, em comparação, superam nosso próprio Sol, sendo milhares de vezes maior.

Acredita-se que o nosso Sol tenha 863.370 milhas de diâmetro, mas a luz demora cerca de oito minutos para chegar até nós, viajando a uma velocidade de 186.450 milhas por segundo, ou 670 milhões de milhas por hora. No entanto, a luz das estrelas leva muitos anos para chegar até nós e, em alguns casos, até milhares de anos-luz.

Diz-se que o nosso próprio sistema solar está perto da borda da poderosa galáxia da Via Láctea, que é um sistema em forma de disco que gira no espaço como uma gigantesca roda. Ele contém dentro de várias centenas de milhões de estrelas. Diz-se que a luz viajando a 670 milhões de milhas por hora leva 100.000 anos para viajar de uma extremidade à outra da galáxia, tal é a vastidão do Cosmos. Em uma escala tão incrível, a Terra pode ser comparada a um único grão de areia em uma praia.
É lógico supor que um grão insignificante seja o único lugar que suporta seres inteligentes capazes de se organizar em sociedades civilizadas?
Apesar de todos os avanços científicos  a humanidade ainda tem pouca concepção das realidades do Cosmos. É possível que os antigos tenham um conhecimento maior do Cosmos do que o homem moderno e que esse conhecimento tenha sido perdido ou destruído?

Há lendas entre os cherokees, que seus ancestrais nas névoas do tempo eram os “filhos do Povo da Estrela”. Os índios maias alegavam ser “os filhos das Plêiades”, que é um aglomerado de estrelas a cerca de 400 anos-luz da constelação de Touro. Existem mais de 250 estrelas no aglomerado das Plêiades, mas são as sete mais brilhantes que figuram proeminentemente nos mitos, lendas e escrituras de diferentes culturas em todo o mundo.

É possível que este aglomerado de estrelas contenha planetas com civilizações avançadas que estão histórica e antropologicamente ligadas à Terra? As Plêiades estão tão profundamente enraizadas nas culturas antigas que sugerem uma ligação muito maior do que as meras pontinhas de luz que nos alcançam das sete estrelas.
Eles são mencionados nos anais chineses que remontam até 2537 aC e nas lendas dos antigos gregos. Acredita-se que os antigos egípcios tenham dedicado as sete câmaras da Grande Pirâmide a eles. O poeta e filósofo do século XII, Omar Khayyam, refere-se a eles como “os geradores” e “os principiantes de todas as coisas”. As tribos indígenas da América do Sul se referem a elas como “Avô” e celebram festivais em sua homenagem. As tribos aborígines australianas dançam em homenagem às Sete Estrelas. Portanto, há aqui uma memória racial de algum significado.

O símbolo do touro cósmico do céu – o signo da constelação de Touro que contém as Plêiades – está em incontáveis ​​artefatos e estátuas antigas descobertas por arqueólogos ao redor do mundo, indicando que o touro foi deificado por povos antigos. Mas o touro era adorado não por causa de qualquer glorificação de um animal, mas porque simbolizava a bula cósmica do universo – a constelação de Touro que é o “lar” das Plêiades.

Não é sem significado que o símbolo da Estrela é um símbolo que inspira a humanidade em direção à perfeição.

Aspecto Humano: A Mente.

O cérebro é a substância cinzenta dentro do crânio. É físico, material, confinado dentro da espessa camada protetora do crânio. O cérebro nos mantém vivos. A mente não é física e material. É invisível e não confinado. Pode ir a qualquer lugar e direcionar nossa vivacidade. O cérebro tem energia que pode ser medida com um instrumento conhecido como eletroencefalograma. Dizem que o cérebro tem uns 18 bilhões de neurônios ou centros nervosos que ativam a força da energia toda vez que pensamos, por mais aleatório que seja o pensamento.

A mente tem energia que não pode ser medida, apenas parcialmente experimentada como consciência. A energia da mente vai para onde a consciência vai. É essa energia mental que é a fonte de poder que está além do escopo da Ciência física para medir. O cérebro é a ferramenta da mente e da sua consciência. Embora você não esteja consciente do seu cérebro, ele obedece à sua consciência e contribui para ela. A menos que uma sensação atinja o cérebro, geralmente não estamos cientes disso.

Nós já estabelecemos que você não é seu corpo. Seu corpo é apenas um veículo que você precisa para explorar e experimentar a dimensão material e física. Você é sua consciência. É o mais perto que podemos descrever a essência da sua existência em palavras. Então, se você se aceita como sua consciência e essa consciência é como uma energia que nunca pode ser destruída, mas apenas muda sua forma, você está perto de entender a verdade do seu próprio ser.

O Grande Espírito – ou qualquer outro nome que escolhermos dar à grande Fonte Criativa – talvez possa ser comparado a uma Consciência Maior, uma Consciência Cósmica, talvez, da qual sua Superconsciência faz parte. Se compararmos a Mente a uma esfera, sua esfera da Mente é como um glóbulo cercado por outros glóbulos, outras esferas da mente, e a superconsciência de cada um está em contato com todos os outros. Pode ser comparado a glóbulos de spray do mar espirrando em seu rosto em uma praia. Cada glóbulo faz parte do oceano. Cada glóbulo é também o mar. Então, sua consciência individual é parte da Consciência Cósmica universal na qual você vive, se move e tem seu ser. Esta Consciência Cósmica tem a liberdade de se individualizar como aqueles glóbulos de água do mar e ainda reter Sua essência – a água ainda é o mar. Mas se individualiza não de uma maneira, mas de uma grande variedade de maneiras e formas, cada uma delas única em si mesma.
A mente é não material. É o que é usado para pensar, para transmitir pensamentos e para expressar a Vontade. Faz parte da alma

Período De Tempo: O Futuro

Em grande parte, criamos nosso próprio futuro a partir dos atos e ações do passado e através das escolhas feitas no presente. De acordo com o ensinamento antigo, há um fator aleatório ou casual que alguns chamam de “Destino”, que não pode ser controlado. Esse fator aleatório entrou no instante em que o Cosmos foi separado de Chãos. Os antigos ensinamentos afirmam que algum Chãos foi preso dentro do casulo do Universo e constitui cerca de 20 por cento de toda a energia dentro desse casulo. É esse fator que explica o que os religiosos chamam de “Vontade de Deus” e os acidentes e catástrofes chamados “Atos de Deus”. Estes não são nem desejados nem causados pelo Grande Espírito, mas trazidos pelo fator chãos e deixados acontecer pelo Livre Arbítrio do Grande Espírito. Indiretamente, eles servem para avançar nosso próprio desenvolvimento espiritual e evolução. No entanto, nosso destino é em grande parte criado por nós mesmos, por nossa própria decisão e ações individuais e coletivas.

Então, o futuro está em grande parte em nossas próprias mãos. Mas o futuro não se distancia de nós, da nossa realidade presente, mas faz parte dela, como também faz parte do nosso passado, que influencia o nosso futuro. O que a Direção Norte tem para nos ensinar é que o Futuro está contido no Presente. Então, como a maioria das pessoas, você busca um futuro melhor, você deve se apossar do Presente. As sementes do seu futuro estão contidas em seus pensamentos e ações agora. Melhore a qualidade de seus pensamentos agora e seu futuro será melhor que o Presente.

Estação do Norte: INVERNO

A característica do Norte é a da Renovação. O inverno é a época em que a Terra está adormecida e aparentemente adormecida. Mas essa dormência é apenas externa, pois no período de aparente descanso, as energias mais profundas da Terra estão se preparando para o rápido crescimento que está por vir. É paradoxal. O crescimento rápido é encoberto em repouso, assim como a vida está escondida na morte. Outra lição aqui é que as coisas não são o que parecem.

Número do Norte: QUATRO (….)

Quatro é 2 x 2 – isto é, Forma (2) ao quadrado – Forma reforçada e feita ‘sólida’. É dualidade emparelhada e em equilíbrio. É o poder do equilíbrio, alinhamento e harmonia. Quatro, portanto, dá um estado de “permanência” ao que está sendo trazido à existência e “se apega a ele”, colocando um limite em torno dele como em um quadrado. Quatro, portanto, está preocupado com a realidade das aparências.
Quatro é um número sagrado entre os índios americanos. Há quatro Grandes Potências, quatro Elementos, quatro Direções, quatro Ventos, quatro Estações, quatro Raças (branco, vermelho, amarelo e preto), quatro Idades de desenvolvimento humano (infância, juventude, vida adulta e maturidade), quatro lições a serem aprendidas (autoconhecimento, autoentendimento, autocontrole e auto-reabilitação). Quatro no norte é considerado como o poder de resistência e persistência.
Quatorze dá acesso nos planos internos ao espírito dos animais e ao aspecto masculino da Terra.

Inimigo do Norte: CERTEZA

A certeza pode ser definida como aquele estado de espírito quando você pensa que sabe tudo o que há para saber sobre um assunto, ou quando você está definido em seus caminhos ou em seu pensamento através de crenças e atitudes do passado. Devem pensamentos como “eu sei de tudo isso!” ou ‘Eu sei o que eu acredito’ ou você leu sobre esse tipo de coisa antes ‘entrar em sua mente, você está em perigo de ser superado pela certeza.
A certeza tenta bloquear a realização da nova verdade e é sua maior ameaça depois que alguém experimentou a iluminação e a verdade de algo se torna clara por fim. Tal conhecimento pode “ir à sua cabeça”, daí a necessidade de sabedoria para acompanhar o conhecimento. O verdadeiro professor transmite conhecimento com humildade. De fato, não se pode obter conhecimento esotérico sem humildade. A certeza é inimiga da clareza da mente e do propósito.

12. Manifestação do Norte: FILOSOFIA, RELIGIÃO, CIÊNCIA

Definições de dicionário podem nos ajudar a entender a afinidade e a diferença entre filosofia, religião e ciência: Filosofia é definida como ‘a busca do conhecimento e da sabedoria e da Realidade Suprema e lida com os princípios das coisas. A religião é o reconhecimento de um poder criativo e controlador onisciente pessoal que tem o direito de adorar. A ciência é definida como um estudo sistemático e formulado dos fenômenos do universo material e de suas leis físicas.
O índio americano, como todos os povos antigos, não separava a filosofia, a religião e a ciência em “disciplinas” separadas, mas considerava-as como aspectos da mesma coisa. O Espírito do Sul nos ajuda a compreendê-los holisticamente também.

Vamos olhar para a ciência. Para os Antigos, a Ciência era o conhecimento das forças naturais e fundamentais do universo e das leis Cósmicas com as quais o mundo físico foi criado e sustentado. Esse conhecimento permitiu que uma pessoa manipulasse essas forças ocultas e desse modo influenciasse seu próprio ambiente. Esse era um poder tão real que testes de caráter eram impostos àqueles que buscavam instrução nos chamados “mistérios” para assegurar que estaria nas mãos daqueles com responsabilidade moral que o usariam sabiamente e para o benefício de todos. Os “mistérios” foram mantidos ocultos da visão geral e obscurecidos daqueles que poderiam usar o conhecimento para fins inteiramente egoístas ou mesmo destrutivos.

A astrologia fazia parte da ciência antiga, mas tinha pouca semelhança com a contraparte moderna dos horóscopos, que tentam prever o futuro e que é incluída na mídia como uma diversão despreocupada. A astrologia antiga era uma ferramenta séria para a auto-análise e para descobrir o propósito da presente encarnação. Indicou os potenciais e possibilidades que esperam manifestar-se no indivíduo e nos momentos da vida em que poderiam ser mais efetivamente trazidos à manifestação.

Os antigos não concordavam com a superstição de que o Sol, a Lua e os planetas tinham algum tipo de poder ou influência sobre os assuntos humanos e determinavam e controlavam nosso destino. Para os antigos, o Sol, a Lua e os planetas eram os indicadores físicos dos padrões de energia invisíveis e sutis. O que veio à manifestação em qualquer momento particular, seja um ser humano, um país, uma empresa ou mesmo uma ideia, continha uma imagem espelhada “abaixo” dos padrões de energia “acima”. Cada ser humano era um indivíduo único e os componentes das qualidades internas refletiam o modo como as energias sutis eram colocadas e organizadas. Isso é discutido em detalhes no meu livro Earth Medicine.

Os Antigos também possuíam uma sofisticada ciência de números que, quando ligados à astrologia, viam o Cosmos se desenvolvendo dentro de ciclos variáveis ​​do tempo. Os índios maias, bem antes do tempo dos antigos egípcios, usaram o Vinte Conde e basearam seus calendários nele. O ano maia compreendia um ciclo de dezoito ‘dias’ de 20 dias aos quais foram acrescentados cinco dias considerados fora do calendário, para formar um ano completo de 365 dias. De fato, os maias da “Idade da Pedra” fixaram a verdadeira passagem da Terra ao redor do Sol como 365,2420 dias – apenas dois dez mil de um dia a menos que os cálculos mais atuais dos astrônomos atuais, que são 365,2422 dias. . O calendário deles era mais do que apenas uma maneira de dizer o dia ou a época do ano. Cada dia foi um dos 20 passos para a iluminação e, portanto, um lembrete do propósito da vida de alguém.

Os grandes ciclos de mudança eram vistos como Idades – longos períodos de tempo, às vezes chamados de Mês Solar. Cada Mês Solar foi parte do Ano Solar ou Grande Ano. Um Ano Solar foi um período astrológico de 25.868 anos dividido em 12 idades ou “meses” que duraram 2.165 anos quando a própria Terra passou por cada uma das constelações que ficavam atrás do Sol no equinócio da primavera.
A astronomia moderna confirma que a Terra balança em seu eixo polar enquanto orbita o Sol, e esse eixo polar descreve um círculo que leva quase 26.000 anos para ser concluído. A constelação que está por trás do Sol no equinócio vernal muda muito gradualmente ao longo dos séculos até que seja substituída pela constelação próxima a ela em 2.165 anos!

Quando a Terra “muda” de uma Era para outra, há mudanças traumáticas e muitas vezes violentas nos assuntos da humanidade. Os tempos turbulentos, inquietos e perigosos em que vivemos, a rápida alteração na Comportamentos sociais, políticos, morais e sexuais são indícios de sair da influência da Era de Peixes e entrar na Era de Aquário.
Segundo a cosmologia maia, a Era de Peixes terminou em 16 de agosto de 1987 e a Era de Aquário começou então. Mas por alguns anos a Terra ainda estará se movendo através da cúspide onde as duas idades se sobrepõem.
A religião dos antigos estava muito distante dos sistemas de crenças que hoje chamamos de religião. Não dependia de “crença” ou “fé”, mas de experiência pessoal e de seguir as leis sagradas. A religião dos Antigos era um direcionamento para dentro, não para fora, pois o “Deus” deveria ser encontrado dentro.
A filosofia pode ser definida como um estudo da fonte fundamental de tudo o que existe e dos princípios pelos quais as coisas operam. Filosofia pode ser descrita como um amor à sabedoria

 

Deixe uma resposta

Show Buttons
Hide Buttons