Reencarnação, uma questão, literalmente, de escolha

Reencarnação, uma questão, literalmente, de escolha

Celso Fortes

Celso Fortes de Almeida é médico, psicoterapeuta, curador e ministra workshops e vivências de Xamanismo. Informações pelos telefones: (21) 2709-0272/ 8141-4300 ou pelo site www.celsofortes.com

 

Uma questão, literalmente, de escolha

Dentro de minha experiência profissional de 30 anos lidando com a saúde humana, sinto-me apto a dar alguns esclarecimentos interessantes sobre esse tema tão polêmico chamado reencarnação (re-encarnação).

Nunca me conformei em ouvir explicações simples. Saber o que as religiões falavam sobre reencarnação não me ajudou a ter uma posição sobre o assunto. Se por um lado o catolicismo execra e condena a idéia de várias vidas, por outro lado o espiritismo também aponta, de forma não menos radical, a reencarnação como fato incontestável. Nenhuma das opções me pareciam válidas, já que sempre gostei de posturas flexíveis. Mesmo criado em uma família tradicionalmente católica, me habituei a querer saber a verdade por meus próprios meios.

Como esse assunto sempre me intrigou, decidi montar uma pesquisa na época em que atendia em uma clinica na qual o tratamento baseava-se em técnica de regressão. Trabalhando com a hipnose, selecionei 50 pacientes que acreditavam em reencarnação e outros 50 radicalmente contra a idéia.

Para quem não está por dentro do assunto, na regressão hipnótica, o terapeuta induz o paciente, através de técnicas e comandos de voz, gradualmente a voltar no tempo até chegar ao útero materno. Em alguns casos, o paciente consegue cruzar um determinado ponto e chega a relatar cenas de outras vidas. E é exatamente aí que começa toda a confusão.

Em meu estudo, levava, através das técnicas, cada paciente ao nível hipnótico profundo. O que conhecemos em Medicina como nível anestésico. Em termos populares, é o nível em que a pessoa pode ser espetada com uma agulha e não sentir dor alguma, tamanho o poder do transe. Estando nesse ponto a pessoa não pode, de forma consciente, forjar uma resposta no momento da regressão. Para garantir a idoneidade do estudo, todos os 100 pacientes foram levados a esse estágio.

Desta pesquisa surgiu um dado inesperado e curioso. Dos 50 pacientes que acreditavam em reencarnação, 47 conseguiram, durante o processo de regressão, acessar outra vida e alguns chegaram até a ver cenas de uma ou mais vidas anteriores. Por outro lado, dos 50 pacientes que não acreditavam em reencarnação, nenhum cruzou esta existência. O que esses dados queriam me dizer?

Eu sempre acreditei que cada pessoa é o que acredita ser. Lembro-me, por exemplo de ouvir falar, que muita gente morreu no passado depois de ter tomado leite e chupado manga. Muitos também tiveram “indigestão” depois de comer e tomar banho. Fato que prova como crenças populares têm poder quando tomadas por verdades pelas pessoas. Esses fatos e a análise dos resultados da pesquisa me ajudaram a concluir que, quando o assunto é reencarnação, cada pessoa é o que acredita ser. Aqueles que acreditam, simplesmente retornam a esta existência até inúmeras vezes. Quanto àqueles que não crêem em vidas passadas, eles vivem apenas uma vida e retornam ao Pai depois da morte do corpo físico.

Anos mais tarde, quando iniciei os trabalhos com o ritual xamânico do Resgate de Alma1,

Em mais de dois mil resgates realizados por mim, percebi que algumas pessoas traziam pendências de outras vidas, me fazendo resgatar pedaços perdidos nessas passagens pela Terra. Outros participantes, entretanto, só tinham pedaços perdidos na vida atual. Foi então que comecei a questionar bastante meus Guias e Animais de Poder2 sobre o assunto. Aos poucos, o tema foi ficando mais claro para mim.

De acordo com as informações me passadas por meus auxiliares do mundo espiritual, saber sobre vidas anteriores não passa de uma curiosidade do ego para justificar comportamentos existentes nesta vida. Essa justificativa, então, ajuda a explicar padrões estabelecidos que o homem não quer ou não está preparado para mudar e, conseqüentemente, evoluir.

O que nos faz pensar que as informações a respeito de vidas anteriores se tornam pouco importantes à medida que entendemos que todos nós trazemos para esta vida padrões distorcidos de comportamento humano e que precisam ser transformados. Pouco importa se esses padrões tiveram origem nessa ou em outras vidas. O que de fato importa é que esse material existe no Universo para que o homem o supere e para que a raça humana amadureça.

Sendo bem claro: o padrão que tivemos em uma vida anterior ou nessa é apenas um mero detalhe. Se assim não fosse, os que não acreditam em reencarnação não teriam nada a fazer por aqui em nosso planeta, já que não tiveram vivências anteriores e, portanto, nada têm para aprender por aqui. Explicação absolutamente incoerente, não é mesmo?

Se pensarmos que algumas almas realmente reencarnam, o que quer que essas pessoas “tragam” de outras vidas, elas obrigatoriamente esquecem antes de “nascerem” novamente. Sendo assim, elas precisam sofrer algum ou alguns traumas nessa existência atual para que, ao elaborarem esses episódios, possam então limpar o que quer que tenham trazido de outros tempos. O remédio para todos esses males é o que Sócrates já pregava: “Conhece-te a ti mesmo”.

Então, acreditando ou não que vivemos muitas vidas, todos nós, ao trabalharmos em nosso processo de autoconhecimento, estamos ajudando a humanidade a progredir. Isso sim é o cerne da questão.

Então, meu querido leitor, a postura de acreditar ou não em reencarnação está relacionada à crença de cada um. O que não se discute. Entretanto, justificar comportamentos atuais através da reencarnação é que é algo bem perigoso.

É comum alguém dizer que é assim hoje porque em outra vida fez isso ou aquilo. Essa atitude do ego mostra a pouca vontade de se superar, de evoluir e sair da “zona de conforto”.

Precisamos lembrar sempre que cada um de nós possui a centelha Divina e que o homem foi criado à imagem e semelhança D´Ele. No momento em que este Grande Espírito (Deus) concedeu à sua criação o livre-arbítrio, Ele deu a chance de o Ser Humano tornar-se “um” com Ele. Assim como Jesus, o Cristo, o fez.

É bom ressaltar ainda que somos seres ilimitados, mas ainda estamos aprisionados pelo emaranhado de nossas emoções e traumas. A partir disso, somente o autoconhecimento pode nos guiar ao encontro desse Deus Interior, que se encontra ao nosso alcance, porém escondido pela confusão emocional em que vivemos.

Vamos então assumir a responsabilidade por nosso crescimento e nos empenhar em crescer, já que este processo depende única e exclusivamente de cada um de nós. Meu carinho a você. Mitakuye Oyasin! (Somos todos parentes).

1 – Ritual proveniente do Xamanismo em que o condutor busca, com a ajuda dos Animais de Poder e Guias, pedaços de alma perdidos pela pessoa através de traumas, relacionamentos ou magias.

2 – Os Guias são espíritos que trabalham na egrégora do Xamanismo. Animais de Poder são espíritos de animais que oferecem proteção e auxiliam o Ser Humano a desenvolver determinadas qualidades rumo à evolução.

ENTRE EM CONTATO

Envie um e-mail para a equipe do Site




©Desenvolvido por Agência Rumi

ou

Fazer login com suas credenciais

Esqueceu sua senha?