O simples milagre da vida

Não é Afrodite quem reina na cozinha, mas Deméter, a deusa da fertilidade, do cuidado dos outros e do cuidado para com a vida.

Houve uma época em que meu fogão tinha apenas duas bocas. Sem forno. Eu tinha um microondas. Não cozinhava, evidentemente, porque não tinha tempo para isso. Vida moderna, mulher moderna, preocupada com a velocidade e ocupada com coisas mais importantes. Mudei-me, depois, para um apartamento cuja cozinha era grande, ensolarada, gostosa de estar nela. O nicho na bancada era para um fogão de seis bocas. Instalei um. Tudo pronto, o cenário me convidou a cozinhar. Aceitei o primeiro convite, o segundo e, quando dei por mim, já me habituara a preparar a comida.

A alquimia da transformação dos alimentos no fogo tem um espírito. E esse espírito começou a ocupar a minha casa, criando aconchego e a sensação de uma casa com vida própria. Quando se usa um microondas, não se cozinha. A relação que temos com o alimento é bastante impessoal. Na comida congelada, o sabor já vem decidido e é o mesmo para todos. Os cheiros ficam embutidos. O tempo é programado.

Mas, quando se trata de usar o fogão, nossos sentidos são todos instigados e nos envolvem no cuidado do alimento, no cuidado do que nos alimenta. Obrigam-nos à proximidade e à intimidade com tudo com que lidamos. Cozinhamos com os olhos – que comparam e procuram cores, movimentos, texturas -, com os ouvidos _ que acompanham os sons da fervura, da cebola fritando _, com as mãos _ que descobrem as consistências e as temperaturas _, com a boca e o nariz _ que orientam na dosagem dos temperos e no ponto do aprontamento.

Cozinhamos com a imaginação e com a curiosidade. E o tempo não é mais a duração fria e programada controlada pelos timers e relógios nem o da nossa mera expectativa. É um tempo de espera, em que nos empenhamos ativamente na preparação de um acontecimento. É um advento.

Redescobri as sensações e uma sensualidade mais primordial. Reencontrei uma outra feminilidade em mim, diferente, por exemplo, daquela que se desenvolve diante do espelho. A preocupação estética com a aparência ( a de Afrodite), quando a medida é apenas a do espelho, se serve para nos revelar, serve também para nos adequar aos padrões de moda e de beleza que vêm de fora, do que é comum a todos.

A sensualidade que vem do cozinhar, no entanto, não tem tantos modelos externos. A medida parece brotar de nós mesmos, já que nossas sensações são tão exclusivas, intransmissíveis, incomparáveis.

Cozinhar é um ato que nos faz querer superar o padrão comum. É um gesto para o qual importa o segredo, o toque pessoal que nos singulariza. Não nos igualamos a ninguém, nem a nós mesmos, pela impossibilidade de repetir o mesmo exato sabor para a mesma receita.

Quando se cozinha, cuida-se do alimento, do prazer de comer, mas também da saúde, do crescimento, do bem estar _ tanto próprio quanto dos outros. Cuida-se dos humores e dos amores.

Não é Afrodite quem reina na cozinha, mas Deméter, a deusa da fertilidade, do cuidado dos outros e do cuidado para com a vida. Deméter é a mulher que a sociedade atual desvaloriza, porque ela não trabalha fora de casa, não cuida dos negócios, não se volta para o conhecimento nem é sex model. Deméter é a mulher minimizada, sobretudo porque ela cuida da vida. A vida que na nossa sociedade mercantilista não tem valor nenhum. A vida, que vale hoje menos que um par de tênis, menos que qualquer outro objeto barato.

Talvez por isso mesmo o gesto cotidiano de cozinhar equivalha quase a uma revolução : nele vale sobretudo a vida mesma. No gesto cotidiano de cozinhar acontece o simples milagre da vida

Dulce Critelli – professora de filosofia da PUC-SP.

ENTRE EM CONTATO

Envie um e-mail para a equipe do Site




©Desenvolvido por Agência Rumi

ou

Fazer login com suas credenciais

Esqueceu sua senha?