Inteligência espiritual nas empresas

Inteligência espiritual nas empresas

Léo Artése

 

O Psicólogo Richard N. Wolman, pesquisador da natureza da espiritualidade e escritor do Livro Inteligência Espiritual, define o termo Inteligência Espiritual como a capacidade de fazer perguntas fundamentais sobre o significado da vida e experimentar simultaneamente a conexão entre cada um de nós e o mundo em que vivemos.

Segundo Wolman:

A espiritualidade, sem conotação religiosa, no meio empresarial é um movimento universal e crescente. A espiritualidade nos torna mais universais e menos individualistas, nos leva ao interesse do bem estar de todos. Ela não pode ser confundida como religião e paranormalidades e sim como uma vivência direta e transcendente com base nos valores e virtudes universais. Ela nos leva á compreensão que só através do autoconhecimento podemos nos relacionar com o universo. O mundo corporativo sentiu com a “crise global, o amargo gosto de uma crise de sustentabilidade.

São treinadas equipes e organizações na busca de estados mais elevados de consciência, que estimulem a identificar e praticar ações visando tornar a empresa uma cidadã consciente em sua comunidade, região e planeta. A espiritualidade no trabalho tem implicações diretas na relação da empresa com os clientes, visão de resultados, liderança, gerenciamento de pessoas, ecologia, educação, desenvolvimento e bem-estar físico, emocional e espiritual. Com isto se encorajam ações de transformação pessoal em seus relacionamentos e em seu ambiente.”

Dana Zohar em seu livro Inteligência Espiritual, argumenta que cientistas descobriram nos lobos temporais no cérebro o “Ponto de Deus” que corresponde aos valores e virtudes para viver a vida.

As crises ecológicas e os problemas da sociedade moderna tais como superpopulação, exclusão, pobreza, o mercado de trabalho e tudo o que compromete a sustentabilidade do planeta e o bem estar, estão forçando novos desafios no mundo corporativo.

Muitas pessoas atualmente,buscam qualidade de vida no trabalho, como um prolongamento de suas casas, interagindo com os colegas como parentes. A empresa como uma família. Muitas empresas hoje estão mais sensíveis á responsabilidade social, ao meio ambiente, a treinamentos comportamentais.

Empresas sensíveis procuram por estados mais elevados de consciência nas suas equipes de forma estarem alinhadas com a responsabilidade de tratar temas como ecologia, liderança, criatividade, qualidade de vida, espiritualidade no trabalho, trabalho cooperativo, comunicação, saúde, lazer, treinamentos comportamentais, sistemas de incentivo, estimulo ao crescimento.

O que movia o mundo dos negócios, criando gerencias de negócios centradas apenas nos lucros, trouxeram prejuízos ao meio-ambiente, na qualidade de vida (muito embora aumentou a longevidade), criaram desigualdades e geraram uma população estressada, mau alimentada.

Quais são os treinamentos que asseguram o uso da intuição para tomar decisões importantes? Quais são os caminhos que inspiram lideres a fazerem algo fora daquilo que é feito há muitos anos, vencer os paradigmas e conceitos que aprenderam na nas pós-graduações e MBA´s . Onde está o fator diferencial ?

Empresas com potencial de investimento na área de treinamento estão cada vez mais buscando cursos comportamentais, como comunicação verbal, relacionamento interpessoal, atendimento ao cliente, media training, treinamentos experienciais ao ar livre, esportes radicais, pnl, inteligência emocional e outros.

Atualmente não é incomum encontrar executivos em torno de um acampamento numa região selvagem, em frente a uma fogueira, trabalhando a criatividade, construindo relacionamentos mais sólidos, buscando introspecção, recebendo na visões sobre os negócios, meditando no sentido de suas funções e no futuro da companhia que trabalham.

Existem treinamentos que consistem em retiros ao ar livre,e que buscam trabalhar o aumento de percepção, o conhecimento de si próprio, superação de limites e desafios, o espírito competitivo, a negociação, a criatividade, espírito de grupo.

Na busca desse um “bom astral” nas empresas, na consciência de que uma empresa sobrevive de “bons resultados”, um novo tipo de consultor empresarial começa a aparecer. Uma nova liderança que inspirará seus colaboradores, parceiros, funcionários, a agirem de acordo com as virtudes humanas, com consciência planetária e sem abrir mão dos resultados, a superarem as expectativas dos clientes .

As competências

Em 1905, o psicólogo francês Alfredo Binet, por solicitação das autoridades francesas, criou um teste para avaliar o grau de inteligência dos estudantes franceses, principalmente nas áreas de linguagem e matemática, que ficou conhecido e respeitado no mundo todo como “Teste de QI (quociente intelectual)”, muito apesar de seu próprio criador, Binet, afirmar que a inteligência humana era muito complexa para ser avaliada por um teste.

A idéia vigente, inclusive era de que a inteligência seria hereditária, não dependia de estudos, até que no início da década de 80, o psicólogo americano Howard Gardner trouxe para o mundo a teoria das inteligências múltiplas. Nós temos muitos tipos de inteligência ou competências:

O neurocientista David Goleman, popularizou a “Inteligência Emocional”, afirmando que a nossa estrutura não é a razão e sim a emoção. Somos seres apaixonados onde a emoção vem antes da razão. Entendo inteligência emocional como a competência de mobilizar a energia, gerada pelas emoções, de forma positiva para nós e para os outros.

Um das causas de sermos diferentes uns dos outros implica nas diferentes combinações de inteligências que cada um possui. Esta certeza pode melhorar a forma que lidamos com nossos desafios do dia-a-dia, principalmente nos relacionamentos, trazendo ainda a possibilidade maior comprometimento para o bem estar comum.

Numa de suas entrevistas Gardner cita que Picasso foi um gênio da pintura, mas era péssimo aluno. Que existem pessoas que se destacam pelo pensamento lógico, mas não sabem organizar suas idéias com inicio, meio e fim. Grandes filósofos que não sabem usar o corpo com esportes.

Howard Gardner teoriza que todos temos tendências individuais, competências e áreas que mais gostamos. Sua teoria diz que todos temos, potencialmente, várias inteligências que são ou não desenvolvidas de acordo com o ambiente, criação, cultura. Nossa sociedade ainda se concentra mais nas aptidões intelectuais do que emocionais, artísticas, espirituais, etc. As diferentes profissões necessitam de habilidades específicas a elas. Ele classifica:

Inteligência Lógica

É a mais pesquisada de todas, avaliada pelos testes de QI, revela a habilidade em matemática que é fundamental para cientistas, engenheiros, economistas, físicos, etc.

Inteligência Verbal

É a competência para comunicação verbal (oratória) ou escrita, o trato com a palavra, a habilidade de convencer, persuadir, negociar, tranmitir idéias e pensamentos, fundamental para palestrantes, políticos, professores, advogados, homens de negócio, líderes, pregadores, etc.

Inteligência Corporal

É a capacidade de usar o corpo de várias maneiras, a coordenação motora, fundamental para atletas, dançarinos, cirurgiões, atores, oradores, atores, mecânicos.

Inteligência Musical

É a percepção de tons, habilidade com sons, aprender a tocar instrumentos musicais, cantar, fundamental para cantores, músicos, maestros.

Inteligência Espacial

É a noção de espaço, direção, orientação, visão 3D, design, equilíbrio de cores e formas. Fundamental para arquitetos, pilotos, designers, cirurgiões plásticos, desenhistas.

Inteligência Intrapessoal

Capacidade de relacionar consigo mesmo, buscar auto-conhecimento, auto-estima, de reconhecer pontos positivos e negativos na personalidade. Saber fazer fluir as emoções de forma positiva.

Inteligência Interpessoal

É a habilidade de relacionar-se com as pessoas. Saber conviver e compreender as pessoas, saber ouvir, compreeender e aceitar a necessidade dos outros. Fundamental para negociadores, líderes, educadores, terapeutas.

Inteligência Pictográfica

A habilidade de transmitir mensagens através de desenhos, imagens, pinturas. Fundamental para designers, artistas plásticos, desenhistas.

Inteligência Naturalista

É a sensibilidade para com o meio-ambiente, saber harmionizar-se com a natureza. Fundamental para paisagistas, ecologistas, jardineiros, arquitetos.

Inteligência Existencial ou Espiritual

Capacidade de refletir sobre questões fundamentais da existência. Através da Inteligência Espiritual, obtemos um sentido de sagrado em tudo o que fazemos, praticamos as virtudes como forma de conduta, encontrando nosso significado existencial e transcendental. Evoca a honestidade e a ética em nossas relações e a termos compaixão com todos os seres

Pesquisas no campo da neurologia, psicologia, física quântica e outras que começam a estudar campos elétricos e magnéticos no cérebro, trazem a teoria de que existem em todos nós uma outra inteligência, que nos liga aos valores e virtudes, que transcendem o próprio ser, nos liga à Deus, ao sagrado, é a Inteligência Espiritual.

Dana Zohar atribui qualidades comuns às pessoas espiritualmente inteligentes:

1. Praticam e estimulam o autoconhecimento profundo

2. São levadas por valores. São idealistas

3. Têm capacidade de encarar e utilizar a adversidade

4. São holísticas

5. Celebram a diversidade

6. Têm independência

7. Perguntam sempre “por quê?”

8. Têm capacidade de colocar as coisas num contexto mais amplo

9. Têm espontaneidade

10. Têm compaixão

Uma nova sociedade só poderá ser sustentável com o reconhecimento de seu lugar no cosmos, com um novo homem/mulher, novas estruturas sociais, novo modelo educacional, com uma cultura de paz .

A espiritualidade no trabalho traz uma visão mais ampla, inspirando funcionários que percebem o sentido de seus objetivos e valores. Compreende sua importância no todo da empresa. É treinado e motivado para realizar sua missão no trabalho.

A espiritualidade no trabalho traz uma visão mais ampla, inspirando funcionários que percebem o sentido de seus objetivos e valores. Compreende sua importância no todo da empresa. É treinado e motivado para realizar sua missão no trabalho.

A liderança com inteligência espiritual tem o desejo de servir. O líder é motivado por valores e sua visão é inspiradora. Trabalha para desenvolver as pessoas, compromete-se com o seu desenvolvimento e dos outros e dos negócios.

“ pessoas com inteligência espiritual elevada procuram fazer mais do que se espera delas. Algo para além da empresa. Quem trabalha unicamente por dinheiro não faz o melhor que pode. Nas empresas em que se busca desenvolver espiritualmente os funcionários, a produtividade aumenta porque eles ficam mais motivados, mais criativos e menos estressados. As pessoas dão tudo de si quando se procura um objetivo mais elevado. Se as organizações derem espaço para as pessoas fazerem algo mais, se souberem desenvolver em cada indivíduo sua inteligência espiritual, terão mais resultados e mais rapidamente Zohar

A editora Campus editou um livro com o nome Corporate Shaman, livro escrito por Richard C. Whiteley.

Whitely é formado pela Harvard Business começou a estudar xamanismo (vivencias ancestrais nativas) em 1992 e criou um programa de coaching baseado em praticas xamânicas, para líderes e gerentes.

Uma das idéias básicas de Whitely era a visão, a idéia. Isso vale tanto para uma orientação espiritual, como para um novo produto, uma nova campanha de marketing. Aprende-se a trabalhar com a imaginação, ou melhor com a imagem-em-ação. E assim podemos criar nosso futuros e o futuro de nosso negócio. O milionário consultor norte-americano, John Perkins, que atuou como executivo de uma bem sucedida companhia de energia alternativa, teve um interesse profundo na natureza e na filosofia nativa. Em suas viagens e pesquisas na florestas, consultando-se com xamãs nativos, começou um estudo intenso sobre xamanismo. Aprendendo a sonhar, obter visões em outras estados de consciência, conseguiu controlar o estresse, e ajudar empresas a responder aos desafios, empoderando os empregados,construindo equipes coesas, criativas e flexíveis.

Uma das coisas que aprendi no meio empresarial é que precisamos ter um sonho. Todos nós precisamos sonhar, ter metas de crescimento, de prosperidade para obtermos a excelência de viver. Nossos objetivos profissionais têm que vir respaldados pelo nosso coração. Produzimos com arte quando temos amor por aquilo que fazemos. O ideal é trabalharmos em algo que sintamos, que de alguma forma, estamos prestando um bom serviço para alguém.

Mas um sonho, sem planejamento, é apenas uma visão…

A visão nos inspira a construção de nosso sonho, e o desejo é o que acende a chama da motivação, da persistência, que conduz à realização progressiva de nossas metas. Para que o sonho de sua organização, de sua empresa, ou de seus projetos aconteçam, eles precisam ser compartilhados com as pessoas certas, com os colaboradores certos.

O sonho precisa ser mensurável, deve ter um prazo para cada etapa realizada, deve ser possível de ser medido e acompanhado. Deve passar por revisões e atualizações.

A busca interior nos ensina a trabalharmos com os sonhos através dos símbolos que eles trazem, para o entendimento de nossa missão, de nosso interior, das nossas potencialidades.

O aprendizado que tive nas empresas, na vida espiritual, nas terapias, com muitos consultores e amigos tem me incentivado para estudar espiritualidade nas empresas dentro da premissa de que se a sabedoria espiritual consegue harmonizar o corpo, a mente, as emoções e a alma das pessoas e dos ambientes, porque não a alma das empresas, vendo a organização como “um organismo vivo?”

ENTRE EM CONTATO

Envie um e-mail para a equipe do Site


©Desenvolvido por Agência Rumi

ou

Fazer login com suas credenciais

Esqueceu sua senha?