Eras astrológicas

No equinócio de Primavera para o hemisfério norte, ou de Outono para o hemisfério sul, quando o Sol ilumina igualmente ao Norte e ao Sul, sua trajetória aparente no céu, a eclíptica, cruza com o equador celeste, definindo um ponto chamado de ponto vernal. Este ponto de interseção projetado no Céu é que determina o começo do signo de Áries, o começo do Zodíaco tropical. É a projeção deste ponto vernal no Zodíaco sideral, no momento do equinócio, que se movimenta a cada ano em direção oposta ao sentido crescente das constelações zodiacais. A este movimento retrógrado do ponto zero do Signo de Áries, é que se lhe chama de Movimento de Precessão dos equinócios e é ele que determina a sucessão das Eras.

O movimento de precessão é devido a um movimento cíclico do eixo da terra, que tem um período de 25 920 anos. Por tanto, o inicio do zodíaco tropical (Ponto zero do signo de Áries), da uma volta completa no zodíaco sideral em 25 920 anos, ficando aproximadamente 2 160 anos em cada constelação e 70 anos por grau.

Este movimento foi detectado por primeira vez por Hiparco de Nícea (190 – 120 a C) e foi conhecido como o Grande Ano de Platão, ou Grande ano zodiacal. O Grande mês deste ano é o que determina as Eras Astrológicas, com uma duração aproximada de 2 160 anos. Atualmente este ponto está entre a constelação de Peixes e a constelação de Aquário, por isso dizemos que estamos entrando na Era de Aquário.

Em 1929, a União Astronômica Internacional definiu as bordas das 88 constelações oficiais. A borda estabelecida entre Peixes e Aquário localiza, em princípio o início da Era de Aquário por volta de 2600 d.C. Cálculos mais apurados chegara a: 2638 d.C. (Elsa M. Glover), 2654 d.C. (Max Heindel) ou 2680 d.C. (Shepherd Simpson).

A Era de Peixes segundo a partir das constelações definidas pelos astrônomos em 1929 se iniciaria no 498 d.c.

O tempo das Eras astrológicas é calculado a partir das constelações como foram definidas pelos astrônomos, que partiram do modelo proposto por Tolomeu que a sua vez respeitou as figuras que foram criadas por seu povo.

Eu particularmente tenho dificuldade de aceitar a área das constelações desiguais segundo foi feito pelos gregos e romanos, acho que um conceito da força de constelação deveria ter mais simetria e homogeneidade. Aceito isto, o desafio seria o critério para definir o ponto zero da constelação de Áries.

Gostaria calcular o inicio da Era de Aquário seguindo este método: a partir do ponto zero da constelação de Áries, dividir a Eclíptica em 12 partes iguais. Correspondendo cada parte a uma constelação. Claro que este critério definiria novas constelações zodiacais. Mas, seriam constelações que responderiam ao mesmo critério de simetria que os signos. A passagem do ponto Vernal pelas fronteiras destas novas constelações definiria o inicio das Eras. Ainda não fiz este cálculo por falta de recursos e conhecimento. Mas estou muito curioso em saber em que data cairia o inicio da Era de Aquário segundo este método.

Não existe um critério único e aceito por todos, que permita estabelecer o inicio de uma Era. Seria fácil se as constelações tivessem um inicio e elongação definido, mais não o tem, assim como também não podemos assegurar que o movimento de precessão seja uniforme.

Mais que fatos astronômicos, fatos culturais e históricos podem indicar a passagem das Eras.

Em cada Era manifesta-se uma Inteligência e Sensibilidade sintonizada ao significado do Signo do Zodíaco que a rege e do Signo oposto complementar. No estudo de uma Era deve ser considerado o eixo dos signos envolvidos. Assim, por exemplo ao estudar a Era de Peixes, tem que se levar em conta, sem lugar a dúvida, a força do signo de Virgempresente no Poder e desenvolvimento da Razão, da Ciência e da Tecnologia e da maior produção de conhecimento do mundo físico e da Natureza nos últimos milênios.

Eras Astrológicas

Era de Leão (DO 10 000 AO 8000 ANTES DE CRISTO)

É o tempo de constituição das primeiras civilizações. Reis divinos. Primeiros instrumentos de pedra. Primeiras celebrações ritualísticas. Primeiras pinturas nas cavernas e esculturas. Nesta época o elemento dominante, sem lugar a dúvidas foi o fogo, que cultuado como divino ajudou ao homem a sobreviver.

É o tempo da suposta civilização da Atlântida que foi extinta pelo dilúvio.

Era de Caranguejo (DE 8000 AO 6000).

O homem primitivo deixa a vida nômade e com o descobrimento da agricultura, a caça e a pesca facilitada pelos instrumentos se assenta, cria lares e funda as primeiras aldeias (China, Índia, Egito, Mesopotâmia). O elemento predominante foi a “água” tanto no seu lado simbólico, as emoções e o afeto, a familia e as agrupações humanas, como no seu lado físico como elemento fundamental na arte da agricultura.

Em alguns lugares reina o Matriarcado. Nesse tempo a mulher era vista como divina, ao parir os humanos aparentemente por graça dos deuses, era difícil para a época relacionar o ato sexual com o nascimento de um filho nove meses depois. Abundam na época esculturas representando mulheres férteis e referencias a rituais de fertilidade para ajudar a terra a produzir, tudo isto em coerência com o signo de Câncer e seu regente a Lua.

Criam-se as primeiras técnicas de tecelagem.

Era de Gêmeos (6 000 AO 4 000 A C)

Coerente com o signo de Gêmeos nesta era a humanidade assentada desenvolve sua inteligência, seus conhecimentos do mundo, aprimora seus meios de comunicação e estrutura as primeiras línguas. Elemento predominante o Ar.

O fato mais destacado é o surgimento da escrita: símbolos toscos e rabiscados em pedra ou argila, pictogramas chineses, caracteres cuneiformes da Mesopotâmia, hieroglifos egípcios.

Outros grandes fatos coerentes com o signo de Gêmeos e seu regente Mercúrio foram:

  • a descoberta da roda, e com ela os meios de transporte e locomoção.
  • A criação do leme, das velas e o aperfeiçoamento das embarcações.
  • Os primeiros sinais de urbanismo, criação de caminhos, ruas.
  • Desenvolvimento da agricultura: irrigação, enxertia, polinização artificial.
  • Desenvolvimento da arquitetura e da engenharia.
  • Primeiras escolas.
  • Sofistificação da organização social e política.
  • Desenvolvimento do comércio e da classe dos comerciantes.
  • Valorização da vida cultural.
  • Surge no Egito o célebre Hermes Trimegisto, pai das ciências, das artes e da magia. Hermes é Mercúrio. Surgem outros grandes do pensamento.

Curiosamente, observa-se nesse período a existência de várias lendas e mitos relacionados a irmãos gêmeos, entre eles, ressalta-se: Osíris (civilidade) e Seth (bestialidade) no Egito; Abel (civilidade) e Caim (bestialidade) na mitologia cristã.

Era de Touro (4 000 AO 2000 A C)

Avatar Khrisna

A humanidade aprofunda sua intimidade com a Natureza. Surgem os grandes requintes na alimentação, no uso de materiais para construção, para vestimenta. Constroem-se as Pirâmides de Quéops entre outras edificações monumentais e requintadas de arte e informações. Elemento predominante a Terra.

O touro passa a ser adorado na Índia, e na Grécia tem importância na sua mitologia. É dessa época o culto ao boi Ápis e à deusa Hathor. Entre os Assírios e os caldeus se encontram inúmeras esculturas representando touros com poderes divinos.

Era de Áries (2000 AO 0)

Avatar: Moises, Buda e Akenathon.

O Deus do antigo testamento (vigente neste período) era um deus vingativo, masculino e extremamente ligado ao culto do fogo. Foi através de uma “sarça ardente (fogo)” que este Deus se manifestou para Moisés e era glorificado com o sacrifício de carneiros (áries). O próprio Moisés, ao final da era de Touro, quebra um bezerro de ouro simbolizando o fim de uma era e início de outra.

Moisés tomou uma atitude ariana – desbravadora, ativa e decidida – ao conduzir os hebreus para a terra prometida.

O ferro, metal símbolo de Áries é difundido e usado sobre tudo na elaboração de armas. O mundo cria grandes exércitos, e realizam-se grandes batalhas. Desbravam-se novas terras. Surgem grandes estrategistas militares. Nasce o mito do herói, do guerreiro.

Inicia-se claramente o culto ao masculino. A sociedade é dominada pelos homens, intrépidos, atrevidos, competitivos, aguerridos. Surgem grandes figuras masculinas em todas as culturas: Buda e Rama na India, Zoroastro na Pérsia, Lao Tsé e Confúcio na China; Sócrates, Platão e Aristóteles entre outros na Grécia. Homens todos de grande cabeça que iniciam caminhos, filosofias, religiões.

O carneiro aparece em várias mitologias: o tosão de ouro dos gregos. E nasce o cordeiro de Deus, o Cristo, no final da era dando passagem à era de Peixe, símbolo posterior da era de Peixes.

Esta Era também foi coroada por muitas guerras no comando do ferro. O seu fim acompanha a decadência do Império Romano, na guarda do Deus Marte (regente de Áries) para dar passagem ao domínio do cristianismo, no comando celestial de Jesus, o “Cordeiro de Deus”.

Era de Peixes (0 AO 2000)

Avatar Jesus. E tantos outros mestres e santos: Cristiam Rosacrus, Helena Blavatsky, Max Haendel, Gurdjieff, Osho, Meishu Sama, Khrisnamurty, Yogananda, e outros muitos. Em todos os povos nasceram grandes mestres e guias.

O grande acontecimento da Era de Peixes é a expansão e domínio do cristianismo e da religião baseada na fé, amor, perdão, a compaixão e virtude. A mensagem do Jesus é totalmente coerente com o significado sublime do signo de Peixes e seu regente Netuno.

Os cristãos, fizeram do peixe um dos seus símbolos do Cristo. Em grego, a palavra peixe, Iktus, é o anagrama da palavra Cristo. Cada uma das suas cinco letras é vista como a inicial de palavras que traduzem Jesus Cristo, Filho de Deus, Salvador: I de Iesus, Jesus;* k* de Kristos, Cristo; T de Theu, Deus; U de Uios, Filho; S de Soter, Salvador.

A Bíblia cristã é cheia de referencia ao Peixe como símbolo do Cristo: os apóstolos pescadores, o batismo de Cristo (água), o milagre da duplicação de pães e peixes, etc.

Durante esta Era, apareceram várias religiões baseadas no amor, o despojamento, a comunhão.

Desenvolveram-se também as artes e a filosofia. Surge a fotografia e o cinema.

O signo complementar Virgem, nesta Era de Peixes, também se manifestou fortemente através do desenvolvimento da razão, das ciências analíticas e da tecnologia, baseada no estudo discriminado e detalhado da natureza e na produção requintada de bens materiais e o poder de manipulação das riquezas naturais.

No final da Era de Peixes, a pesar da situação de desigualdades existentes, a voz da sensibilidade, do feminino e da mulher se fez sentir e tomo posse em muitos setores da sociedade.

Ainda que longe de um mundo de Paz e Amor, no fim da Era de Peixes o ideal do Amor e da Justiça Social brilhou em muitos corações.

Era de Aquário (2000 A 4000)

Nestes momentos que vivemos de transição para a Era de Aquário, é evidente o embrião de um novo tempo coroado pelos objetivos mais nobres de convivência entre todos os seres da Terra.

O sistema nervoso da terra foi estabelecido pelo desenvolvimento da informática e das comunicações. Os movimento em busca da integração do material e o espiritual, da ciencia e da religião espalham-se por todo lugar.

Nos dias atuais esta-se estruturando o sistema nervoso do Planeta. A globalização das economias, o avanço das tecnologias na comunicação e os transporte une quase no instante todos os lugares e pessoas.

Estamos indiscutivelmente num novo tempo reflexo dos significados do signo de Aquário e seu regente que desde 95 entrou em trânsito coincidentemente no signo de Aquário e que no ano 2000 encontrava-se a 15º do signo, o seu trono.

ENTRE EM CONTATO

Envie um e-mail para a equipe do Site


©Desenvolvido por Agência Rumi

ou

Fazer login com suas credenciais

Esqueceu sua senha?